A "Bancor Network" lança carteira nativa com conversão incorporada de token

A Bancor Network (Bancor), uma plataforma de criptomoedas descentralizada, está lançando sua carteira nativa com conversões automatizadas de tokens, disse a Bancor em particular à Cointelegraph.

A carteira simboliza o próximo passo no desenvolvimento da empresa de uma solução de liquidez destinada a tornar moedas digitais operáveis por usuários comuns, incluindo cripto-amadores. A empresa alega que os usuários agora podem converter suas moedas virtuais diretamente de suas carteiras , sem precisar igualar duas partes em uma troca:

“O protocolo Bancor disponibiliza tokens sempre disponíveis para compra e venda diretamente de dentro da carteira, dando aos usuários acesso contínuo a qualquer projeto baseado em Blockchain, independentemente da frequência com que o seu token é negociado nas plataformas.”

De acordo com a declaração da Bancor, mais de 100 aplicativos Blockchain com suas próprias criptomoedas já anunciaram a integração com a Bancor Network, incluindo tokens populares como ETH , EOS e DAI . A Bancor supostamente não detém e nem tem acesso a fundos de clientes, o que aumenta a segurança da carteira.

Fundada em Junho de 2017, a Bancor já ultrapassou outras principais plataformas descentralizadas, como a IDEX, Waves Dex e Openledger Dex em termos de volume de transações.

A maioria das transações em moeda digital tem componentes centralizados, o que as torna potencialmente vulneráveis a ataques de hackers , como aconteceu com a Mt.Gox e a Coincheck . Usuários em plataformas centralizadas confiam seus fundos e chaves privadas a terceiros, tornando supostamente mais fácil para hackers roubarem dados de usuários e causarem grandes perdas.

Plataformas descentralizadas, ou peer-to-peer, excluem um intermediário e a necessidade de confiar em um serviço de terceiros para manter os fundos dos clientes. O mecanismo de negociação de tais plataformas é baseado em contratos inteligentes e trocas atômicas, de modo que os usuários estejam sempre no controle de seus fundos. Acredita-se também que as plataformas de negociação descentralizadas forneçam mais anonimato e sejam mais resistentes a tentativas de invasão.

Um estudo recente sobre a liquidez das criptomoedas e dos ativos digitais, baseado no método "slippage" (lapso), mostrou que os volumes de transações das principais centrais de criptomoedas centralizadas podem ser muito inflacionados por terceiros.