Argo Blockchain planeja encerrar contratos de mineração e cortar custos em 35%

A Argo Blockchain, uma empresa de mineração de criptomoeda do Reino Unido, anunciou que estava refocalizando seus negócios como parte de um importante exercício de redução de custos, de acordo com uma atualização de estratégia publicada em 15 de fevereiro.

A Argo, que tem sede em Londres e instalações em Quebec (Canadá), disse que encerrará suas operações de Mineração como Serviço (MaaS) até abril, concentrando-se exclusivamente na mineração direta.

Os operadores de MaaS facilitam a mineração de criptomoedas em hardware emprestado remotamente. Explicando sua decisão, a Argo disse que a contínua depressão dos preços do Bitcoin (BTC) e a redução da rentabilidade associada à mineração fizeram com que ela reduzisse suas despesas.

“Espera-se que a redistribuição da infraestrutura de mineração e do capital seja lucrativa após uma redução significativa nos custos de insumos alcançados pelos fornecedores”, diz a atualização, declarando:

"As medidas de reestruturação e redirecionamento da estratégia deverão reduzir o cash burn global e entregar o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no segundo semestre de 2019".

Além de abandonar a MaaS, a Argo planeja reduzir os custos em mais de um terço para atingir sua meta de rentabilidade.

O CEO e cofundador Mike Edwards resumiu:

“Embora seja decepcionante fazer essa mudança depois de obter um crescimento melhor do que o esperado durante nossos primeiros seis meses como uma empresa de consumo, precisamos ser prudentes e agir de forma decisiva para superar a desaceleração e estar em uma posição forte quando os fundamentos da indústria melhorarem”.

A mineração de Bitcoin teve um ano desafiador, com várias empresas enfrentando problemas por conta da queda de preços. Ainda hoje (15) mais cedo, a Cointelegraph informou apesar dos últimos ganhos da Nvidia, a empresa tem seu desempenho significativamente impactado pelo inverno cripto.