América Latina e Blockchain: Cerca de 50 portos já aderiram ao sistema da IBM e mais de 20% são brasileiros

Em toda a América Latina, mais de 50 portos e terminais estão participando do TradeLens, o ecossistema blockchain da Maersk e IBM para cadeia de suprimentos a nível mundial.

A TradeLens conta, atualmente, com a colaboração de 11 pontos no Brasil diretamente ligados à rede, ou só compartilhando dados, incluindo os municípios de Manaus, Fortaleza, Salvador, Vitória e Rio de Janeiro.

Aproximadamente 90% de todo o comércio mundial passa por um porto (destino e origem), de acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A CEPAL, Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, mostrou que os principais portos de contêineres latino-americanos tiveram uma atividade superior a 53 milhões de TEUS (cerca de 1,06 bilhões de pés), ou seja, quase 10% da produção mundial.

O Porto de Santos é um dos maiores complexos portuários da América Latina, se estendendo por três municípios do estado de São Paulo, e concentra cerca de dois terços do PIB do país e um terço das bolsas comerciais brasileiras. O complexo se integrou ao TradeLens para gerar insights sobre os mais de 1,6 milhões de TEUs (ou 32 milhões de pés) que Tecon Santos, seu terminal, deve operar em 2019, como visibilidade total em corredores navais e acesso em tempo real a informação para ajudar na colaboração portuária e melhor o planejamento do terminal.

"Nosso trabalho com a TradeLens e outras empresas do ecossistema do comércio global como terminais, entidades governamentais, empresas de transporte terrestre, entre outros, mostrou que a Blockchain está sendo usada para formar uma rede forte e conectada, na qual todos os membros ganham ao compartilhar dados importantes. Juntos, podemos transformar a maneira como o comércio é realizado em toda a região", afirma Martín Hagelstrom, executivo de Blockchain da IBM América Latina.

“Nas últimas décadas, a região experimentou um avanço na operação de seus portos, aumentando a eficiência operacional em mais de 20%. No entanto, ainda estamos longe de países mais avançados”, completou Natalia de Greiff, vice-presidente de Cloud and Cognitive Software da IBM América Latina.

“Estamos trazendo o TradeLens para nossa região para continuar nesse caminho de crescimento, usando IBM Blockchain em IBM Cloud para posicionar a América Latina nas grandes ligas comerciais do mundo”.

“A participação em todo o ecossistema da cadeia de suprimentos está demonstrando o verdadeiro valor da plataforma digital TradeLens. Temos uma base sólida para desenvolver, por exemplo, prestadores de transporte terrestre, despachantes de carga, alfândegas e outras entidades governamentais para ingressar no ecossistema e explorar os benefícios da digitalização dos fluxos comerciais da América Latina”, conclui Lars Nielsen, Presidente de Maersk América Latina e Caribe.