Estudo aponta que 94% dos fundos de doações pesquisadas estão alocando investimentos em cripto

94% das doações foram alocadas para investimentos relacionados à cripto ao longo de 2018, revela uma nova pesquisa publicada em 12 de abril. O estudo foi realizado no quarto trimestre de 2018 pela publicação comercial Global Custodian and The Trade Crypto, em parceria com a empresa de segurança blockchain BitGo.

De 150 doações pesquisadas, 89% dos entrevistados supostamente eram sediadas nos EUA, com o restante no Reino Unido ou no Canadá.

A pesquisa indicou que, apesar das preocupações amplamente divulgadas em torno da regulamentação, custódia e liquidez, as doações continuarão alocando investimentos para a nova classe de ativos - com apenas 7% dos entrevistados dizendo que anteciparam qualquer redução em suas alocações no próximo ano.

Jonathan Watkins, editor-gerente da Global Custodian and The Trade, comentou os resultados da pesquisa, afirmando que:

"Toda a conversa nos últimos 18 meses ocorreu quando investidores institucionais começaram a participar de investimentos em criptomoedas, mas acontece que eles já haviam chegado, na forma de fundos de doação".

A pesquisa revelou que 54% dos entrevistados estavam investindo diretamente em ativos cripto, com 46% investindo através de vários tipos de fundos.

Nos próximos 12 meses, 50% revelaram que esperam aumentar seus investimentos em cripto, com 45% prevendo que suas alocações permanecerão em seus níveis atuais.

De acordo com a pesquisa, as três principais características que as dotações buscam quando selecionam fundos de cripto são que elas cumprem uma regulamentação robusta, têm fluxo de capital e liquidez suficientes e oferecem segurança de conta.

O Trade sugere que o otimismo cauteloso é um resumo geral do sentimento patrimonial em relação à classe de ativos nascentes, citando a crença de um entrevistado de que a cripto “é o futuro do investimento” e outras caracterizações do processo como “uma viagem muito louca” e "de arrepiar os cabelos"

Conforme relatado, em fevereiro deste ano, a doação de US$ 12 bilhões da Universidade de Michigan revelou planos para reforçar seu investimento em um fundo de cripto administrado pela firma de capital de risco americana Andreessen Horowitz.

Detalhes dos investimentos em fundos de cripto relatados pelos titãs da Ivy League Yale e Harvard vieram à tona no outono de 2018 - este último, que doou cerca de US$ 39,2 bilhões no ano fiscal de 2018, foi o maior de qualquer dotação universitária globalmente. As alegações de investimento em cripto também foram feitas para a Universidade de Stanford, o Dartmouth College, o Massachusetts Institute of Technology e a Universidade da Carolina do Norte.

Conforme relatado este mês, a doação de Harvard deve se tornar um investidor direto em uma venda de tokens de US$ 50 milhões da rede de computação descentralizada da Blockstack. Se aprovada, a venda seria a primeira oferta qualificada pela Comissão de Valores Mobiliários.