15 presos na China por subornar um cibercafe para minerar cripto

As autoridades chinesas prenderam quinze homens suspeitos de pagar propina para a mineração de criptomoedas ao administrador de um cibercafé.

O canal local de notícias do setor de cripto 8BTC informou em 3 de setembro que a polícia de Henyang, uma cidade na província de Hunan, ao sul da China central, prendeu o homem por cryptojacking. Mais de 9.000 administradores de computadores estavam envolvidos no auxílio à operação de mineração não autorizada.

Uma empreitada lucrativa

A criptomoeda minerada pelos suspeitos nos quatro meses que terminam em julho foi vendida por mais de cem milhões de yuans (cerca de US$ 14 milhões). A polícia local recebeu um relatório sugerindo que muitos cibercafés locais estavam rodando malware de cryptojacking.

As conclusões das investigações preliminares sugerem que o malware foi desenvolvido por uma empresa de tecnologia de rede em Zhengzhou e o nome do líder da quadrilha é Zhang.

Zhang é suspeito de subornar pessoalmente os administradores de cibercafés para permitir que ele instalasse o malware em seus computadores. Todos os 15 homens supostamente envolvidos estão agora presos e a investigação ainda está em andamento.

E não é a primeira prisão relacionada à mineração

Em julho, a polícia da China também prendeu 22 suspeitos supostamente envolvidos em atividades ilegais de mineração de cripto que roubaram eletricidade no valor de cerca de US$ 3 milhões.

Como o Cointelegraph reportou no final de agosto, a empresa de segurança cibernética McAfee Labs lançou um relatório de ameaças em agosto de 2019, que observa um aumento de 29% nas campanhas de cryptojacking e ataques de ransomware no primeiro trimestre de 2019.