Como se previnir de transações fraudulentas em criptomoeda

Connor Blenkinsop
28 NOV 2019
Como se previnir de transações fraudulentas em criptomoeda

Partnership Material

1.

Como ocorre a fraude de pagamento?

Os fraudadores estão ficando cada vez mais criativos - o que significa que a vigilância constante é essencial para proteger as criptos

Plataformas fantasmas que imitam exchanges legítimas. Plataformas falsas que inventam usuários para fazer seus negócios parecerem reais. Clones de endereços que, à primeira vista, parecem idênticos aos lugares para os quais você costuma enviar fundos. Sim, existem muitas oportunidades excelentes no mundo das criptomoedas, mas a fraude é um grande negócio.

Embora as ofertas iniciais falsas de moedas não sejam tão comuns como eram antes (esse método de captação de recursos ficou fora de moda há alguns anos), os golpes de saída permanecem. A cripto é criada por uma empresa que parece extremamente promissora - com altos retornos -, mas a empresa desaparece sem deixar rasto. Em retrospectiva, os sinais de alerta estão lá: o white paper foi plagiado, metade da equipe não foi identificada e perguntas difíceis de investidores preocupados foram ignoradas.

Níveis mais altos de escrutínio são necessários porque pode ser quase impossível verificar a identidade de alguém - para não mencionar sua reputação - no mundo cripto. Tudo isso está afetando a confiança do consumidor e a adoção de moedas digitais em geral. O relatório de usabilidade da blockchain de 2019, da Foundation for Interwallet Operability, revelou que apenas 25% dos consumidores de criptomoeda estavam "muito confortáveis ​​e confiantes" de que suas transações seriam concluídas conforme o planejado. O resto descreveu estar muito nervoso e preocupado, um pouco estressado ou apenas cautelosamente otimista quanto ao pagamento.

2.

Diga-me mais - quais são as maneiras mais comuns de ser enganado?

Exchanges, negócios, carteiras e pessoas que não são o que dizem ser.

Por exemplo, pode haver uma exchange cripto que pareça oferecer taxas fantásticas e taxas baixas nas taxas de negociação que você mais usa. Porém, depois de fazer um depósito, pode ser quase impossível sacar seus fundos. Outro risco é confiar seus ativos em uma plataforma que possui medidas de segurança inadequadas. Basta olhar para o Mt. Gox - 850.000 BTC foram perdidos em 2014, e aqueles que ficaram sem dinheiro ainda estão lutando para recuperar seus fundos. A devida pesquisa é essencial - e mesmo críticas positivas encontradas em fóruns de criptografia e redes sociais devem ser levadas em consideração.

Os esquemas Ponzi são particularmente desastrosos porque o número de vítimas pode crescer exponencialmente. Os investidores nessas fraudes normalmente estão sob pressão para recrutar o maior número possível de pessoas para garantir que seus lucros aumentem. De fato, eles podem até receber alguns pagamentos para começar - o que significa que aqueles que estão sendo enganados, muitas vezes acreditam plenamente que se depararam com uma oportunidade de negócio real. Os esquemas Ponzi geralmente entram em colapso quando o grupo de novos recrutas fica seco.

Carteiras falsas de criptomoeda são outra questão. Os aplicativos que se apresentam como carteiras oficiais do NEO, Tether e MetaMask, já foram descobertos na Google Play Store até agora - e, alarmantemente, parece que eles tiveram centenas de instalações. Os aplicativos geralmente solicitavam a chave privada e a senha da carteira de um usuário, dados pessoais confidenciais que seriam usados ​​posteriormente pelos cibercriminosos para roubar ainda mais dinheiro. Outros softwares mal-intencionados pegaram carona em marcas respeitáveis ​​de carteiras de criptografia, como a Trezor.

Então, existem artigos de notícias falsos e páginas na rede social "oficiais", que visam capturar consumidores de criptomoeda que podem ter muito pouca experiência no mercado. Vimos oportunidades fraudulentas de investimento que alegam ter o aval da A-Listers como Elon Musk, Kate Winslet e Richard Branson - com o bilionário holandês John De Mol, indo até o ponto de processar o Facebook depois que usuários perderam cerca de US$ 1,9 milhão para anúncios de criptomoeda que apresentavam sua imagem.

O Facebook chegou a ser um alvo, com páginas falsas em suas redes sociais alegando serem entidades oficiais para a próxima criptomoeda Libra. Eles ofereceram a chance dos consumidores supostamente comprarem a stablecoin a preços muito baixos, mesmo que não tivesse sido lançado.

3.

Estou preocupado - posso rastrear minhas transações de criptomoeda?

Depois que um pagamento é enviado, as transações podem ser rastreadas e verificadas através da blockchain.

Por exemplo, através de uma rede como o Bitcoin, você pode procurar um ID de transação para verificar o andamento de um pagamento. Os detalhes fornecidos incluem o valor total das taxas que estão sendo pagas aos mineradores e quantas confirmações a transação recebeu atualmente. No caso do Bitcoin, são necessárias seis confirmações antes que a criptomoeda chegue com segurança ao seu destino.

Muitas outras grandes criptomoedas, como Ethereum e Litecoin, têm suas próprias blockchains onde as transações podem ser verificadas. Pagamentos envolvendo tokens ERC-20, um tipo comum de criptografia, também são verificados através da blockchain Ethereum.

Os governos globais também estão começando a se interessar em rastrear criptomoedas. Como o Cointelegraph relatou em agosto, 15 jurisdições em todo o mundo - entre as quais países do G-7 - desejam coletar e distribuir dados pessoais de indivíduos que concluem essas transações. O objetivo é impedir que a cripto seja usada para atividades ilegais, como lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo. Prevê-se a adoção de medidas mais detalhadas em 2020.