Banco Mundial arrecada US$ 33 milhões para seu título Kangaroo por meio da blockchain

O Banco Mundial arrecadou mais de US$ 33 milhões para o título Kangaroo em uma blockchain, anunciou a organização internacional em 16 de agosto, quando divulgou  que arrecadou AUD$ 50 milhões adicionais (os mais de US$ 33 milhões supracitados) para o título que tem vencimento em agosto de 2020, usando uma blockchain.

O relatório afirma que este é o primeiro título que foi criado, alocado, transferido e gerenciado em todo seu ciclo de vida usando a tecnologia deledger distribuído (DLT).

Grandes bancos se unem à plataforma blockchain Bond-i do Banco Mundial

De acordo com o relatório, a iniciativa expande a plataforma blockchain Bond-i do Banco Mundial, combinando três grandes gestores, Commonwealth Bank of Australia (CBA), RBC Capital Markets e TD Securities (TD).

A iniciativa contou com a participação de novos participantes do mercado, incluindo um investidor offshore e a comunidade de investidores existentes, incluindo suporte contínuo e contribuição do TCorp.

O CBA foi mandatado pelo Banco Mundial como um arranjador para o vínculo em agosto do ano passado, o que resultou no crescimento de AUD$ 110 milhões (mais de US$ 74 milhões). Em maio, o CBA e o Banco Mundial habilitaram a negociação de títulos secundários na cadeia com o TD, atuando como formador de mercado.

Este último desdobramento supostamente fez deste o primeiro vínculo cuja emissão e negociação são registrados usando DLT. James Wall, Gerente Geral Executivo Internacional do CBA comentou sobre o desdobramento:

“O tap é um marco importante na demonstração do gerenciamento completo do ciclo de vida das necessidades dos mercados de capitais de um emissor. É também um passo significativo para a plataforma trazer participantes adicionais e demonstrar o potencial mais amplo do Bond-i como plataforma de mercado de capitais.”

A plataforma de títulos empregada supostamente permite transações mais rápidas, mais eficientes e mais seguras. Ela faz parte de uma iniciativa mais ampla visando a aplicação da DLT pelo Banco Mundial.

Como reportou o Cointelegraph em abril, à época, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial lançaram conjuntamente uma blockchain privada e uma assim chamada "quase-criptomoeda".