As casas de câmbio descentralizadas substituirão as casas de câmbio peer-to-peer completamente?

O contínuou crescimento das crptomoedas é uma jornada que teve múltiplos obstáculos ao longo do caminho. Não só as dificuldades técnicas devem acontecer, mas também existem vários problemas que são externos às criptomoeda, incluindo a falta de diretrizes claras e questões de segurança causadas por serviços independentes e centralizados.

Hackeamento e regulação

Ao longo deste ano, testemunhamos que estes dois grandes problemas disromperam a criptosfera em uma escala relevante. No ano passado, tivemos um hack que custou à Bitfinex mais de US $ 70 milhões e, em 2017, o repentino fechamento da BTC-e. Também vimos o poder que as entidades reguladoras podem ter sobre o ecossistema cripto, com países como a China banindo as ICOs e até mesmo casas de câmbio de criptomoeda tudo de uma vez.

A falta de regulamentos e as tentativas recentes de criar um quadro regulatório que, de forma voluntária ou involuntária, penalize empresas e indivíduos no espaço pode ser apenas um problema passageiro. No entanto, as questões de segurança que atacaram plataformas de negociação de criptomoedas e carteiras on-line desde o início da cripto não são. Do infame desastre da Mt. Gox ao recente hack da Bitfinex, o tempo nos mostra que os serviços centralizados sempre terão falhas e que os hackers sempre terão maneiras de encontrá-los e explorá-los.

DEX

Não há nenhum problema grande demais para a comunidade em desenvolvimento e, com certeza, já existe uma solução. As casas de câmbio descentralizadas (DEX) permitem que seus usuários comprem e vendam criptomoeda sem terceiros envolvidos. Essas plataformas descentralizadas não são novas. Plataformas como Waves DEX, BitShares, NXT, CounterParty e muitas outras que estão aí já há algum tempo. Esses casas de câmbio alavancam a tecnologia Blockchain para fornecer aos usuários uma experiência comercial sem confiança.

Com testes promissores conduzidos na tecnologia de trocas atômicas por projetos como KomodoAltcoin Exchange e muitos outros, a perspectiva de casas de câmbio totalmente descentralizadas parece estar se aproximando da realidade todos os dias. Há, no entanto, outra solução que já existe há algum tempo. Os antecessores das casas de câmbio descentralizadas, as casas de câmbio peer-to-peer permitem que os usuários comprem e vendam criptomoeda diretamente uns dos outros usando métodos de pagamento fora do convencional.

Casas de câmbio P2P

Hoje vamos analisar profundamente as casas de câmbio de p2p para descobrir se ainda existe um lugar para essas plataformas, uma vez que as casas de câmbio descentralizadas "assumem", o que pode não ir muito adiante.

As casas de câmbio peer-to-peer oferecem múltiplas vantagens quando comparadas a seus pares totalmente descentralizados. Vamos dar uma olhada:

Crescente popularidade

Começando com o fato que nos fez fazer esta pergunta em primeiro lugar, as casas de câmbio peer-to-peer estão se tornando mais populares todos os dias. Apesar dos recentes avanços realizados por casas de câmbio descentralizadas, os usuários ainda são mais propensos a recorrer a plataformas que eles acham simples e familiares (falamos mais sobre isso na próxima seção). Os dados da Coin.dance nos mostram apenas isso:

Gráficos de volume de Bitcoin - A revolução não será centralizada

Ao analisar os volume de dados de CNY da LocalBitcoins, podemos ver dois pontos acentuados em torno do tempo em que o Banco Popular da China reprimiu as casas de câmbio de criptomoedas pela primeira vez e, novamente, quando o movimento mais recente forçou casas de câmbio como a BTCC para parar de fornecerserviços de negociação no país indefinidamente:

No entanto, é preciso também saber se essas trocas são imunes à ação governamental. As casas de câmbio centralizadas são muito mais versáteis no cumprimento da lei e se defendem contra ataques de hackers.

"Nós temos fiduciário"

Fiduciário. Não importa o quanto você ame o Bitcoin e cripto em geral, o dinheiro ainda é rei e não há realmente nenhuma maneira fácil de contornar isso. Embora as casas de câmbio descentralizadas permitam aos usuários trocar criptos por criptos, o sistema está praticamente isolado das moedas fiduciárias. Embora alguns projetos como Waves e Bitshares ofereçam tokens fiduciários-vinculados, transformar esses tokens em dinheiro real (e vice-versa) não é uma tarefa fácil e exige que o usuário confie em um gateway centralizado.

As casas de câmbio peer-to-peer como LocalBitcoins e Paxful permitem aos usuários configurem rapidamente uma conta e comprem criptomoeda sem a necessidade de fazer um depósito fiduciário. Em vez disso, o pagamento é feito diretamente para o usuário no sistema de pagamento acordado, e o Bitcoin é então liberado do depósito para o comprador. Isso permite aos usuários manter uma certa quantidade de privacidade quando comparados aos gateways centralizados.

Embora os usuários só possam comprar o Bitcoin na maioria das casas de câmbio P2P, a próxima plataforma Qvolta apresentará uma seleção mais ampla de criptomoeda, incluindo Bitcoin, Ether, Monero e outras, garantindo que os usuários possam ter acesso direto a diferentes veículos de investimento dentro da criptosfera e também dar-lhes a capacidade de proteger a sua privacidade através do uso de moedas centradas na privacidade, como o Monero.

Simples e intuitiva

As casas de câmbio descentralizadas ainda estão em sua infância e, embora ainda haja muito a fazer, parece haver uma enorme discrepância ao comparar a facilidade de uso em casas de câmbio centralizadas com a falta das mesmas em descentralizadas. Embora os projetos do Blockchain tenham feito avanços incríveis e fornecido interfaces gráficas simples, é provável que haja alguma confusão para usuários menos conhecidos da tecnologia.

Fazer o download e instalar o software, criar e fazer back-up de uma carteira, e muitas outras etapas adicionais podem impedir que os usuários comuns aproveitem os benefícios fornecidos pela DEX. As casas de câmbio peer-to-peer, no entanto, são tão simples quanto convenientes. Os usuários só são obrigados a visitar o site, criar uma conta e podem começar a comprar/vender moedas.

Algumas até apresentarão um aplicativo móvel para iOS e Android, um passo importante para a adoção em massa de criptomoeda, dado que as taxas de propriedade de celular são altas entre a população não bancarizada, aqueles que podem se beneficiar mais do uso de criptomoeda e investimentos.

Sem tokens de proxy

Nenhum token de proxy

Este é um problema que pode ser resolvido com o aumento da tecnologia de troca atômica, mas as casas de câmbio descentralizadas atuais exigem que o comerciante use o que é conhecido como "token de proxy". Esses tokens são usados para permitir que as DEX's baseadas em Blockchain troquem criptomoedas que existam fora do respectivo Blockchain.

A Waves, por exemplo, usa tokens de proxy como "wBTC" e "wETH" para facilitar a troca desses ativos. No entanto, a prática adiciona um passo extra e exige que o usuário confie em gateways centralizados que armazenem o recurso básico, a fim de garantir que uma pegada de 1-1 seja mantida. Embora este não seja algo difícil nos negócios para alguns usuários, pode impedir outros de usar o serviço.

Fluxo de receitas

Sim, as casas de câmbio peer-to-peer não estão apenas capacitando os usuários, fornecendo acesso fácil e seguro à criptosfera, mas também estão criando fontes de receita adicionais para aqueles que desejam aproveitá-las. Para os vendedores, é comum vender o Bitcoin por preços inflacionados ao lidar com métodos de pagamento reversíveis como o PayPal e outros, dado que existe um fator de risco envolvido. No entanto, se esse risco pode ser gerenciado pelo vendedor, a casa de câmbio P2P pode se tornar seu novo local de trabalho, com sistemas de conta pessoal onde os usuários podem criar ofertas para a taxa de câmbio preferencial de acordo com a tarifa que eles adquiriram.

Além disso, os usuários também podem ganhar uma renda através de programas de afiliados que são criados por essas casas de câmbio. LocalBitcoins oferece um sistema de afiliados, bem como Qvolta. Os programas de referência podem ajudar todo o ecossistema, permitindo que os usuários ganhem dinheiro extra para convidar amigos, trazendo mais pessoas e criando uma maior variedade de opções para comprar e vender moedas.

Desvantagens

Todavia, nem tudo é perfeito. As casas de câmbio peer-to-peer ainda têm alguns problemas fundamentais que podem prejudicar seu crescimento no futuro. Incluindo a infraestrutura centralizada que depende de servidores da Web para hospedar a própria plataforma, uma propriedade não compartilhada com trocas descentralizadas baseadas em Blockchain.

As casas de câmbio P2P também não são 100 por cento seguras, e os golpes são inevitáveis. Os atores maliciosos aproveitam os métodos de pagamento reembolsáveis para manter as moedas compradas e a despesa depositada nelas. Este mesmo fator também levou alguns vendedores nos mercados P2P a começar a solicitar a verificação da identificação antes de fazer um acordo, uma prática menos otimizada quando se trata de privacidade e segurança.

Conclusão

Então, a questão ainda é válida. As casas de câmbio descentralizadas podem substituir as casas de câmbio peer-to-peer completamente? Pelo que vimos hoje, a popularidade das casas de câmbio P2P não está em declínio e as vantagens que oferecem não são atualmente realizáveis pela DEX baseada em Blockchain, pelo menos com a tecnologia atualmente disponível.

À medida que a tecnologia é ajustada, as casas de câmbio descentralizadas podem, de fato, se tornar mais populares entre os usuários de criptomoeda. No entanto, acreditamos que as casas de câmbio P2P estarão aqui por um longo tempo e provavelmente coexistirão com as descentralizadas, mesmo que as plataformas de negociação centralizadas sejam extintas, atuando como uma espécie de meio termo ou porta de entrada para um ecossistema totalmente descentralizado.


Siga-nos no Facebook