Por que a geração Y segura o Bitcoin para dias chuvosos

O Bitcoin tem um grande apelo aos da geração Y que sonham com um futuro sem dinheiro, e agora estão colocando poupanças no Bitcoin e não nos fundos tradicionais.

A moeda digital já transformou os primeiros adeptos em milionários, foi comercializados por Ashton Kutcher e Paris Hilton, e representa tudo o que os da geração Y estão preocupados em termos de mercados e investimentos tradicionais.

Fundamentos de antigos financiamentos abalados

Enquanto aqueles que estão usando e envolvidos no Bitcoin ainda representam menos de um por cento da população, há um número crescente de jovens da geração Y que se afastam dos impérios financeiros tradicionais.

Se essa tendência persistir, ela poderia antecipar o eventual fim do banqueiro, como eles seguem do mesmo modelo que o agente de viagens e a biblioteca.

Roshaan Khan, um sênior de 20 anos na Virginia Commonwealth University, é um desses da geração Y. Khan investiu recentemente em Bitcoin e Ethereum - outra forma de criptomoeda — e está incentivando seus amigos a fazer o mesmo.

"Todo o meu patrimônio líquido está em criptomoedas, porque as vejo como a melhor maneira de escalar minha capacidade de ser financeiramente seguro e pagar meus empréstimos estudantis", disse Khan. "Eu gosto da idéia de descentralização, o fato de que há muito menos corrupção e laços políticos. Essa idéia me agrada ... Não ter que passar pelos bancos. Ter controle financeiro sobre nossas vidas novamente".

Nenhum banqueiro vai à prisão

Andreas M. Antonopoulos, autor de Mastering Bitcoin e The Internet of Money, está familiarizado com essa desconfiança. A ideia do dinheiro da Internet faz sentido no mundo de hoje e atrai a nova geração, mas, além disso, é um sistema que não traiu os da geração Y.

"Quando você fala com os da geração Y desapontados por todas as instituições sociais — o governo, a igreja, a política, os partidos — eles não podem mais confiar em ninguém", disse Antonopoulos.

"Eles se lembram de 2008, porque foi o primeiro grande acidente que tiveram, e muitos Y não conseguiram encontrar trabalho. Eles não viram banqueiros irem para a prisão".

No controle de investimentos

Ainda há um caminho a percorrer até que o Y mais endurecido esteja totalmente livre das instituições bancárias e monetárias tradicionais, mas podem controlar seu próprio futuro em relação aos investimentos.

"É melhor executar o meu próprio plano de poupança investindo e reinvestindo em novas tecnologias", disse Emil Thorsplass, um músico de 24 anos da Noruega:

"Eu ainda tenho meu fundo de pensão regular e minhas contas ainda precisam ser pagas através de uma conta bancária, mas os investimentos em criptomoedas tornaram-se uma parte central das economias para mim".

Medo de volatilidade?

Thorsplass acrescenta, em relação a uma questão que sempre surge no que diz respeito ao investimento ao Bitcoin, como ele lida com a volatilidade.

"Eu não estou mais muito nervoso sobre a volatilidade", disse Thorsplass, que chegou perto de US$ 5.000 desde que investiu em 2015. "Eu acho que quando você tem vinte e poucos anos, com responsabilidade limitada, investir a maior parte do que você tem em algo não é tão dramático quanto o que pode ser para adultos mais estabelecidos. Estou acostumado a correr riscos, então, quando tenho uma intuição, eu gosto de puxar o gatilho".