Por que a África é lenta na absorção de Bitcoin?

Há toneladas de potencial para o Bitcoin na África. É um sistema monetário para os não bancarizados, é sem confiança e muito menos corruptível, e pode criar um novo sistema monetário onde não há um longo legado bancário e financeiro.

No entanto, em todo o continente, em diferentes países, a aceitação tem sido surpreendentemente lenta. Da África do Sul e Nigéria, como os maiores protagonistas Bitcoin, a nações menores como a Tanzânia, que estão tendo um grande crescimento, mas com números pequenos.

Educação e indústria

Talvez um dos maiores problemas que enfrente a adoção de Bitcoin na África é educar pessoas sobre as moedas digitais. O Bitcoin e o mumdo das criptomoedas ainda são um campo minado nebuloso para aqueles que usando ativamente], por isso é difícil tentar educar todo um continente

A África é em grande parte uma infraestrutura baseada em dinheiro com um modelo simplista, até mesmo o setor bancário ainda é um conceito inovador para uma grande parte da população.

No entanto, também não há muita alternativa, se a compreensão e a educação em moedas digitais forem baixas, sua adoção na indústria e no varejo é ainda menor.

Chad Robertson, cofundador e diretor executivo da start-up sul-africana Regenize, diz que a consciência ajudará:

"Especificamente, na África do Sul, temos uma grande lacuna que continua crescendo em relação à riqueza, mas também ao conhecimento, na paisagem tecnológica sempre em mudança. Se eu estiver sentado em uma cafeteria em CBD, é provável que alguém saiba o que é Bitcoin. No entanto, dirija-se ao Cape Flats ou municípios (favelas); é altamente improvável que haja muitas pessoas que estão cientes do que é isso".

Mas, novamente, Robertson o traz de volta à indústria. Aqueles que aceitam Bitcoin na África são ainda mais raros do que aqueles nas áreas rurais que ouviram falar sobre isso.

"No entanto, essa falta de educação e conscientização poderia ser cavada mais a fundo para encontrar a raiz do problema. Há muitas pessoas que vivem na pobreza na África do Sul e na África. Eles simplesmente não podem pensar em usar o Bitcoin, pois não é relevante para suas necessidades. A loja local spaza (loja de conveniência) não aceita Bitcoin, então, como alguém vai pagar seu pão ou leite? As escolas não o aceitam para as taxas escolares. Você não pode pagar a eletricidade com Bitcoin para manter suas luzes acesas. Então, por que eles se importam ou querem ser educados nisso? "

Segurança

Claro, a África é um lugar diversificado, e que tem uma grande diferença entre ricos e pobres. Então, enquanto aqueles que estão perto do fundo do conflito econômico podem não ter ouvido falar de Bitcoin, ou ver algum lugar para usá-lo, aqueles que estão perto do topo têm outros problemas.

As preocupações de segurança também precisam ser abordadas antes da adoção em massa, que também vincula a educação. Robertson disse:

"Há muitas pessoas que foram fraudadas na Internet, especialmente aquelas que não possuem educação digital. Portanto, há um medo e um estigma em torno de usar a Internet como um local para transacionar".

A visibilidade também é um problema, como a maioria dos africanos costumava ter uma instituição física disponível para suas perguntas.

"Com o Bitcoin, não há um lugar visível para reclamar ou abrir um inquérito. Eu pensaria que a gestão da mudança desempenharia um papel importante na transição de usar um banco. Durante gerações, as pessoas deram seu dinheiro ao banco e há uma confiança, já que o banco é uma instituição de tijolos e cimento. Com o Bitcoin, as pessoas podem ter medos do tipo 'que acontece com meu dinheiro? Para quem eu reclamo?'"