Enquanto a China bane casas de câmbio de Bitcoin, o Japão as abraça

A partir de outubro, as casas de câmbio de Bitcoin e criptomoedas japonesas serão totalmente supervisionados e investigados pelas autoridades locais como parte de uma iniciativa maior para criar um mercado de câmbio de Bitcoin japonês mais regulado e robusto.

No início deste mês, o governo chinês impôs uma proibição nacional de casas de câmbio de Bitcoin e criptomoedas, forçando plataformas de negociação de criptomoedas em grande escala, incluindo BTCC, OKCoin e Huobi, a encerrar seus serviços. Com a imposição de uma proibição tão impraticável e desnecessariamente ineficaz sobre as casas de câmbio, a China se isolou da indústria e mercado globais de Bitcoin.

Consequentemente, a maioria dos comerciantes, empresários e volumes de negócios na China foram para os mercados vizinhos. Durante a semana, após a finalização da proibição e o fechamento das principais casas de câmbio de Bitcoin, os volumes de negociação do Japão e da Coreia do Sul aumentaram, já que o Japão ultrapassou os EUA para se tornar o maior mercado de câmbio de Bitcoin no mundo. De acordo com vários provedores de dados de mercado da Bitcoin, incluindo o CryptoCompare, o Japão continua sendo o maior mercado de icâmbio do Bitcoin com 44% da participação de mercado.

Não foi necessária proibição; vigilância suficiente para criar um programa de lienciamento para casas de câmbio de Bitcoin

Ao contrário da China, o Japão está adotando uma abordagem mais responsável para com a regulação das casas de câmbio Bitcoin. Em vez de impor uma proibição nacional às plataformas de negociação, o governo pretende monitorar e investigar as trocas de Bitcoin por um breve período de tempo em outubro. Com a informação que recolhe a partir de sua investigação, o governo japonês lançará um programa de licenciamento para regular seu mercado de casas de câmbio Bitcoin local de forma eficiente.

Em uma entrevista, um funcionário da FSA não identificado disse ao The Japan Times que o foco do governo japonês está empenhado em promover seus mercados de Bitcoin e criptomoedas, não em evitar o crescimento e paralisar seu progresso. O funcionário da FSA afirmou: "Nós buscamos o fomento do mercado e a aplicação da regulamentação".

Nas próximas semanas, as principais casas de câmbio japonesas de Bitcoin, incluindo o BitFlyer, a maior casas de câmbio de Bitcoin do Japão por volume de negociação e outras plataformas de negociação, como a casa de câmbio de Bitcoin Zcoin do grupo GMO, um conglomerado de bilhões de dólares, provavelmente seriam solicitados a enviar relatórios diários e cumprir a investigação do governo japonês. Após a conclusão da investigação, o governo japonês lançará um programa de licenciamento para aprimorar os sistemas existentes de Know Your Customer (KYC) e antilavagem de dinheiro (AML).

Não é uma proibição, mas um indicador positivo de crescimento

A vigilância e a investigação do governo japonês nos seus mercados de casas de câmbio Bitcoin e criptomoedas podem ser consideradas como um indicador positivo do crescimento.

No início desta semana, Mario Draghi, presidente do BCE, que administra a política monetária da zona do euro de 19 países, explicou que o Bitcoin, como um protocolo peer-to-peer, não pode ser proibido ou regulamentado. Mas, Draghi também disse que não é do interesse do BCE fornecer estruturas regulatórias em torno das atividades de negociação do Bitcoin porque o mercado ainda é prematuro.

O interesse do governo japonês em fornecer um programa de licenciamento para casas de câmbio de Bitcoin e promover o mercado demonstra que os mercados de criptomoedas, tanto regionais quanto globais, não são prematuros e se tornam maiores a uma taxa exponencial.


Siga-nos no Facebook