Qual futuro dos YouTubers afetados pela proibição do conteúdo relacionado a criptomoeda?

Em 23 de dezembro, milhares de YouTubers receberam e-mails da gigante dos vídeos notificando-os de que seus vídeos relacionados a criptomoeda foram subitamente excluídos da plataforma.

A proibição, que durou cerca de quatro dias antes do YouTube começar a restabelecer vídeos, impactou os YouTubers, cujos canais alcançaram milhares de assinantes, bem como aqueles com públicos menores.

Sem surpresa, muitos dos YouTubers afetados agora se voltaram para plataformas de vídeo descentralizadas para compartilhar seu conteúdo. A criação de vídeos atraentes e informativos sobre blockchain e criptomoeda se tornou uma fonte de renda para muitos desses indivíduos, e é por isso que é importante que eles tenham uma saída confiável para utilizar.

O CEO e fundador da LBYR, Jeremy Kauffman, disse ao Cointelegraph: "Após a proibição do YouTube, o acesso à LBRY nas últimas 24 horas aumentou quase 100% por dia".

A LBRY, uma plataforma descentralizada de compartilhamento e publicação de conteúdo criada em 2016, usa a tecnologia blockchain para permitir que os criadores de conteúdo armazenem e baixem conteúdo de maneira P2P.

A LBRY também é totalmente de código aberto, o que significa que os desenvolvedores podem contribuir com o código que alimenta a plataforma. “Eu acredito profundamente na liberdade de expressão, no código aberto e na escolha pessoal. A LBRY é um reflexo de todos esses valores”, disse Kauffman.

Além disso, diferente do YouTube, que possui políticas de conteúdo rigorosas, Kauffman explicou que a LBRY não possui políticas rígidas com relação ao que os usuários compartilham e publicam.

“A LBRY possui um protocolo que não tem políticas sobre essas coisas, assim como HTTP ou SMTP não tem uma política sobre essas coisas. No entanto, como empresa dos EUA, temos uma política de conteúdo para o que é permitido armazenar em nossos servidores.”

Kauffman também observou que o YouTube foi recentemente o “número um em apoio à plataforma”, já que muitos YouTubers migraram para a LBRY enquanto o gigante dos vídeos continua a “impor regras, arbitrariar, banir ou desmonetizar pessoas por motivos frágeis, etc.” Ele explicou ainda :

“Construir uma empresa ou angariar seguidores no YouTube é construir sob areia movediça. O YouTube censura e proíbe regularmente criadores, com aplicação caprichosa e arbitrária de regras.”

O YouTuber Omar Bham disse ao Cointelegraph que ele recomenda a LBRY desde a proibição de conteúdo cripto no YouTube:

“Quanto às plataformas descentralizadas, recomendo a LBRY. O processo de sincronização é simples, as recompensas podem ser reivindicadas para todos os tipos de ações e os dados são sincronizados sem nenhuma ação minha. Esse continuará sendo o caso de envios futuros - eles acabam automaticamente na LBRY como um backup. Isso é poderoso, pois não preciso me preocupar se o YouTube um dia remover todos os meus vídeos permanentemente. Eles vão viver."

Embora esse possa ser o caso, Kaufmann apontou que a velocidade é um desafio que a plataforma está enfrentando, pois as blockchains são notoriamente lentas. Ele observou que a LBRY criou ferramentas adicionais para consultar e prover informações com mais velocidade.

Além da LBRY, o Steemit, um site de blog e mídia social baseado em blockchain lançado em 2016, também chamou a atenção de muitos YouTubers. A plataforma tem mais de 1 milhão de usuários registrados e usa o token STEEM para recompensar seus usuários pela publicação do conteúdo.

Diferentemente da LBRY, que é focado especificamente na mídia digital, o Steemit funciona mais como uma versão descentralizada do Reddit, fornecendo aos usuários uma rede social completa. Embora possa ser diferente do YouTube, a plataforma de compartilhamento de vídeo DTube é uma plataforma de vídeo descentralizada, construída sobre a blockchain STEEM, que se parece com a aparência do YouTube.

Como outras plataformas de vídeo descentralizadas, o DTube não possui servidores centrais - todo o conteúdo é armazenado na blockchain STEEM. Como resultado, é quase impossível adulterar o conteúdo de vídeo no DTube.

O ativista anti-bullying Andrew Rossow, disse ao Cointelegraph que, embora uma plataforma como o DTube e a LBRY pareça muito promissora, também é importante considerar certas áreas cinzentas que as plataformas descentralizadas podem não abordar.

“É bom ter uma plataforma de mídia social habilitada para blockchain que seja resistente à censura - mas lembre-se de certas proteções com relação à propriedade intelectual, phishing, golpes e outras áreas cinzentas.”

Mas, o YouTube é responsável?

Ironicamente, a executiva-chefe do YouTube, Susan Wojcicki, anunciou recentemente suas metas para a plataforma em abril, dizendo: "Minha principal prioridade é a responsabilidade".

Embora seja esse o caso, o YouTube removeu mais de 100.000 vídeos e 17.000 canais desde que a empresa implementou alterações em suas políticas de conteúdo, em junho deste ano.

De acordo com uma publicação no blog, o YouTube excluiu conteúdo que viola suas regras, destacando conteúdo autoritário, reduzindo a propagação de conteúdo e recompensando a criadores confiáveis. Infelizmente, a plataforma está removendo cada vez mais conteúdo que, pessoalmente, acho que viola essas políticas - e a criptomoeda e a blockchain se enquadram nessa categoria.

É legal remover conteúdo sem notificar os criadores?

Com relação à legalidade de remover o conteúdo sem notificar os criadores - ou fornecer um motivo válido para a exclusão do conteúdo - o fundador da Royse Law Firm e o instrutor de estudos contínuos da Stanford University, Roger Royse, disse ao Cointelegraph que se torna uma questão legal dependendo dos termos de serviço da plataforma:

“Como uma questão legal, tudo depende do que os termos de serviço permitem. As grandes plataformas estão em uma situação difícil, porque há muito escrutínio legislativo tanto em suas políticas quanto em criptomoeda. A SEC e outras agências têm sido notoriamente hostis a negócios relacionados a criptomoeda e podem ver isso como mais uma maneira de regulamentar as plataformas.”

Rossow também observou que, embora o que o YouTube tenha feito possa ser legal, não é justificável:

"Pode-se argumentar que o YouTube, como provedor de conteúdo, tem a autoridade e o direito de remover conteúdo que considera violar seus Termos de Serviço e, ao fazê-lo, tem o direito de remover vídeos, mesmo que envolva dinheiro digital ou criptomoeda."

Ainda segundo Rossow, o problema para os criadores de conteúdo e o YouTube é identificar e discernir o que é "comercialmente viável" e o que é "educacional". Ele explicou:

"Os vídeos sobre criptomoeda que foram removidos recentemente não envolveram conteúdos violentos ou políticos, ou conteúdos prejudiciais às crianças. Mesmo aplicando as recentes diretrizes da FTC com relação ao cumprimento da COPPA, não parecia estar muito desordenado. Este incidente, eu diria que é isolado e dá a todos os criadores de conteúdo um motivo para entrar em pânico simplesmente devido à ignorância do YouTube".