Investimento de capital de risco em blockchain e cripto bate em 280% em 2018, mostra relatório

O investimento de capital de risco (VC) “tradicional” em empresas blockchain e cripto quase triplicou nos primeiros três trimestres de 2018, de acordo com um novo relatório de Diar publicado em 30 de setembro.

A Diar cita dados do Pitchbook que indicam que as empresas relacionadas a blockchain e cripto arrecadaram quase US $ 3,9 bilhões em capital de capital de risco até agora este ano — um aumento de 280% em comparação com o ano passado. O aumento não vem apenas em termos de um número crescente de negócios, mas também no florescente valor mediano de cada um, que cresceu mais de US $ 1 milhão este ano.

VC investment and deal count in blockchain and crypto-related firms, 2013-18

Investimento de VC e contagem de negócios em empresas relacionadas com blockchain e cripto, 2013-18. Fonte: Diar

VC median blockchain investment, 2013-18

Investimento médio de VC em blockchain, 2013-18. Fonte: Diar

O total combinado dos dez maiores negócios em 2018 foi de US $ 1,3 bilhão, com nove deles representando investimentos tradicionais em ações, em vez de compras de tokens de cripto de utilidade. A exceção foi o token DFINITY, que arrecadou US $ 163 milhões dos investidores VC, Andreessen Horowitz, Hashed e Polychain Capital.

Os números do Pitchbook revelaram que o Digital Currency Group (DCG) de Barry Silbert foi "de longe" o investidor mais prolífico do setor de VC, fechando mais de 110 negócios no espaço de cripto e blockchain este ano. O DCG superou tanto o Blockchain Capital quanto o Pantera Capital, cujos negócios combinados atingiram 100.

Outros investidores fortes incluíram as firmas de VC, Andreessen Horowitz, Danhua Capital e Future Perfect Ventures, ao lado de "anjos ativos" Tim Draper, Naval Ravikant, Roger Ver e Barry Silbert.

Além desses grandes players, Diar relata que cerca de 2 mil investidores fecharam acordos com pelo menos uma empresa de blockchain este ano — os cinquenta mais ativos investiram em "pelo menos" oito. Em termos de perfis de investidores, 52% dos investidores não estavam exclusivamente focados no setor de cripto e blockchain, mas fecharam seus negócios como parte de um portfólio mais diversificado.

Por fim, Diar também analisou a distribuição geográfica do capital de capital de risco que flui para blockchain, com investidores dos EUA representando 79% da participação do leão, seguido por 12% da China e 2% da Coreia do Sul e Cingapura, respectivamente.

O novo relatório de Diar também inclui uma seção sobre o fenômeno de novas operações bancárias que visam facilitar a indústria de blockchain, se bancos exclusivos de blockchain construíram “do zero”, bancos que integram serviços fiduciário e de cripto, ou o crescente número de cripto. empresas relacionadas que estão garantindo licenças bancárias.

Como relatado anteriormente, a maior empresa de capital de risco da Coreia do Sul, a Korea Investment Partners (KIP), investiu em sua primeira startup blockchain - especializada no aproveitamento de tecnologia para soluções de gerenciamento de cadeia de suprimentos. A KIP é conhecida por seus investimentos em empresas de alto nível, que incluem o maior mecanismo de busca da Naver — Coreia, além de ser dona do popular aplicativo de mensagens japonês LINE — e do gigante de mensagens coreano Kakao, entre outros.