Firmas de Venture Capital retiram investimento em fintech, um relatório recente mostra

 

O financiamento de capital em fintech de mercado de capitais teve "uma queda de 52% em 2017", um White Paper do Boston Consulting Group (BCG) concluído em 16 de março.

Em 2017, as empresas de fintech garantiram US$570 milhões em financiamento no ecossistema dos mercados de capitais, em comparação com US$1,18 bilhão e US$1,19 bilhão em 2015 e 2016, respectivamente. O conjunto de dados do BCG cobriu 903 empresas.

O BCG isolou um recuo das empresas de capital de risco (VC) como um fator importante. Investimento de capital de risco em fintech caiu para US$380 milhões, menos da metade de seu total de US$1 bilhão em 2016. Estes números são os mais baixos desde 2012.

O BCG atribui essa subutilização à inovação a “restrições legadas de TI” e a preponderância de “um modelo de produto/relacionamento sobre um modelo focado em serviços com automação em seu núcleo”.

O documento indica uma mudança nas estratégias e na distribuição no período 2017-2018, com dados divergentes para os operadores históricos e os de menor nível, respectivamente. Os bancos de investimento de primeira linha reduziram os gastos com fintech para US$30 mi em 2017, em comparação com US$46 mi em 2016 e US$87 mi em 2015. No entanto, os bancos de investimento menores apresentaram um aumento de três vezes, de US$20 milhões em 2016 para quase US$60 milhões em 2017.

Investidores de nível inferior continuaram investindo em “fintechs pós-negociação, incluindo o R3 CEV (US$107 milhões) e Digital Asset Holdings (US$40 milhões) focados na Blockchain”.

A análise recente do BCG e CB Insights do setor de tecnologia financeira dos EUA destaca que os investidores estão se distanciando dos negócios iniciais (Seed e Series A) para favorecer empresas maduras e estágios posteriores. Este foi, nomeadamente, o caso do recente da Coinbase na oferta de séries B e C com Andreessen Horowitz.

Um briefing amanhã para a CB Insights também analisará como as tendências nas estratégias de investimento de fintech dos bancos estão mudando de apostas em estágios de sementes para consolidar suas próprias aquisições e lançar seus próprios produtos, a fim de diminuir a concorrência.

Outra mudança importante é a diversificação geográfica. A atividade de transação antecipada de tecnologia financeira dos Estados Unidos caiu 23% ao ano desde 2013, enquanto o investimento em tecnologia de ponta na Europa mostrou um forte crescimento de 39% ano a ano. A América do Sul atingiu uma alta de cinco anos em negócios de tecnologia financeira em 2017.

A volatilidade das criptomoedas, o furor da mídia e a evolução do regulamento de diversos governos e gigantes institucionais continuam por impactar o investimento na esfera de cripto nascente.

Muitas empresas de capital de risco continuam a defender o potencial da inovação de tecnologia financeira, incluindo as soluções Blockchain, que alavancam a desintermediação e podem simplificar e proteger a infraestrutura no setor financeiro.

Um recente relatório da Crunchbase mostrou que 2017 foi um ano marcante para investimentos em Blockchain e iniciativas relacionadas a tecnologia, e 2018 já parece apontar que vai superar isso.

Os investimentos em VC para os dois primeiros meses de 2018 incluem uma série de $75 milhões para o criador de carteiras de hardware de criptos Ledger, uma rodada de US$18 milhões para a QUASA, uma plataforma russa Blockchain para o setor de carga. e US$10 milhões para a Harbour Platform baseada em SF.

Podemos adicionar a esses US$140 milhões de VC levantados de investidores como Goldman Sachs, Baidu e CICC para a recente aquisição do Circle do cripto câmbio Poloniex, bem como o investimento do VC Firm Digital Currency Group no banco Silvergate compatível com criptomoedas.

Marie Huillet