Venezuela ordena que taxas de passporte devem ser pagas em moeda controversa Petro

Os venezuelanos só podem usar a criptomoeda apoiada pelo estado, o Petro, para pagar as taxas de passaporte a partir da próxima semana, disse a vice-presidente do país, Delcy Rodriguez, em uma coletiva de imprensa na sexta-feira, 5 de outubro.

Antes do "lançamento" oficial do Petro em novembro, Rodriguez confirmou que a partir de segunda-feira, 8 de outubro, as taxas para todos os pedidos de passaporte só serão pagas em Petro, e terá um aumento no valor: 2 petros para obter um novo passaporte e 1 petro para prorrogar.

O salário mínimo mensal médio na Venezuela, informa a Bloomberg, é quatro vezes menor do que o custo da taxa de passaporte.

"No caso dos venezuelanos que estão no exterior, até o primeiro dia de novembro o custo será de US $ 200 para emissão e US $ 100 para prorrogação", disse Rodriguez, segundo o principal jornal latino-americano El Universal.

A Venezuela tem procurado combater os efeitos colaterais da inflação desenfreada e uma economia frágil, adotando o uso de criptomoeda para contornar os controles de capital.

Como a Cointelegraph informou, o Petro, a solução do presidente Nicolas Maduro para a crise econômica do país, consistentemente causa ambiguidade e houve acusações na semana passada de que seus desenvolvedores copiaram o livro branco do altcoin Dash.

Junto com a decisão sobre as taxas de passaporte, Rodriguez também anunciou a formação de uma força policial de migração dedicada, ostensivamente projetada “para preservar a segurança dos cidadãos e o controle migratório”.

A Bloomberg observa que cerca de 5.000 cidadãos fogem da Venezuela todos os dias.