O regulamentador CFTC dos EUA permite que funcionários negociem criptomoedas. Os futuros de BTC permanecem fora de questão.

A comissão do comércio de futuros de commodities dos EUA (CFTC) permitiu formalmente que seus funcionários transacionem criptomoedas, mas manteve sua proibição de participação de futuros de Bitcoin , segundo relatório da Bloomberg nesta quarta-feira, 28 de Fevereiro.

O regulador, que junto com a comissão de valores mobiliários (SEC) supervisiona a legislação de ativos e commodities a nível nacional, informou que tomaram a decisão no início deste mês.

O advogado-chefe da CFTC, o conselheiro geral Daniel Davis, escreveu em um memorando para a equipe em 5 de Fevereiro que em resposta a "inúmeros inquéritos (sic)" eles poderiam livremente se envolver na negociação de criptomoedas.

Investir nos produtos de futuros de Bitcoin, que a CFTC começou a regulamentação depois de dar a luz verde em Dezembro, continuaria sendo contra as regras, no entanto.

"Neste ambiente, a situação está pronta para o público questionar a ética pessoal dos funcionários que se envolvem em transações de criptomoedas", afirma a Bloomberg com respostas escritas de Davis. O memorando da equipe continuou:

"Por favor, tenha em mente que você deve se esforçar para evitar ações que criem a aparência de que você está violando a lei ou o governo e da comissão de padrões éticos".

O presidente da CFTC J. Christopher Giancarlo juntou-se ao presidente da SEC Jay Clayton para uma audiência dedicada sobre criptomoedas em 6 de Fevereiro, durante o qual os regulamentadores continuaram sua ampla política de regulamentação, focalizando na conscientização dos investidores e na proteção contra a fraude do consumidor.

Em resposta à questão de se os comerciantes de CFTC recém-liberados poderiam ter um dedo dentro da política em curso, a porta-voz de Giancarlo, Erica Richardson, foi bem clara, afirmando o seguinte:

"O presidente deixou claro que os membros da equipe que possuem Bitcoin não devem participar de assuntos relacionados à criptomoeda, pois pode apresentar um conflito de interesses".