US Bank Wells Fargo proíbe compra de criptomoeda com seus cartões de crédito

O banco Wells Fargo, de San Francisco, anunciou que não permitirá mais que seus clientes comprem criptomoedas usando seus cartões de crédito, relatou a Fortune em 11 de junho.

O Wells Fargo, que é o terceiro maior banco em ativos nos EUA, disse que seus clientes agora estão proibidos de comprar moeda digital em seus cartões de crédito emitidos pela instituição financeira. Um porta-voz do banco disse que a decisão foi tomada para evitar "riscos múltiplos" associados ao uso da criptomoeda:

“Os clientes não podem mais usar seus cartões de crédito Wells Fargo para comprar moedas cripto. Estamos fazendo isso para sermos consistentes em toda a empresa Wells Fargo devido aos múltiplos riscos associados a esse investimento volátil. Esta decisão está alinhada com a indústria geral.”

No entanto, o porta-voz acrescentou que o banco "continuará a avaliar a questão à medida que o mercado evoluir".

Com este movimento, Wells Fargo se junta a uma onda de instituições financeiras que proíbem a compra de criptomoeda com seus cartões de crédito. Em fevereiro, três gigantes do setor bancário, o JP Morgan Chase, o Bank of America e o Citigroup, anunciaram que não permitiriam mais a compra de criptomoedas por cartão de crédito. No final daquele mês, o JP Morgan Chase disse que as instituições financeiras podem “enfrentar o risco de que o processamento de pagamentos e outros serviços possam ser interrompidos por tecnologias, como as criptomoedas”.

A lista de bancos que impedem os clientes de comprar criptos com seus cartões de crédito vem crescendo globalmente. No Canadá, Toronto-Dominion Bank (TD), um dos maiores bancos da América do Norte, anunciou em uma declaração por e-mail aos clientes que está proibindo a compra de criptomoedas com cartões de crédito. O banco disse que as medidas foram tomadas "para servir e proteger nossos clientes, assim como o banco".

O HDFC Bank da Índia, o maior banco privado do país, informou aos clientes que seus cartões de débito e crédito não podem ser usados ​​para comprar criptomoedas para proteger os clientes. Medidas restritivas também foram apoiadas pelo maior banco do Reino Unido, Lloyds Banking Group, e Virgin Money, que está presente na Austrália, África do Sul e Reino Unido.