Desencadeando o Blockchain: AirFox pronto para transformar dados em moeda universal

Se você está lendo isso on-line, considere-se afortunado. De acordo com o Fórum Econômico Mundial (WEF), quase quatro bilhões de pessoas dos 7,5 bilhões de pessoas da Terra não têm acesso à Internet.

O WEF lista falta de infraestrutura, acessibilidade, falta de habilidades, conscientização, aceitação cultural e falta de adoção local como fatores que contribuem para a chamada divisão digital.

A acessibilidade é um fator importante, e o WEF afirma que, para os 13% da população mundial abaixo da linha de pobreza, este é um obstáculo importante. Além disso, afirmam que a banda larga só é acessível para 100% da população em apenas 29 países.

A AirFox está planejando ajudar a mudar a maneira como a internet é acessada por pessoas em países em desenvolvimento, para que ela se torne mais acessível e acessível. Eles planejam fazê-lo usando uma combinação de publicidade e microcrédito.

A AirFox está arrecadando fundos através de uma venda pública

A oferta inicial de moedas AirFox (ICO) deve começar em 19 de setembro de 2017 às 10:00 da manhã EST. A venda pública durará 31 dias.

Os tokens que estão sendo lançados são chamados AirTokens (AIR). Há planos para vender um total de 1,5 bilhão de AirTokens para arrecadar o máximo de US$ 21 milhões.

A quantidade de AirTokens disponíveis durante a venda pública é de 1,05 bilhão ou quase 70% do total de tokens. O token é baseado em Ethereum Blockchain, e eles podem ser trocados depois que as operações começam para dados móveis e serviços digitais, bem como bens físicos.

A remissão dos tokens pode ser feita através do aplicativo AirFox Recharge para Android, bem como o aplicativo AirFox Browser.

O AIR será vendido a uma relação fixa para o Ethereum (ETH). A AirFox lançou um whitepaper que tem todos os detalhes de suau próxima venda pública, bem como os detalhes técnicos das operações planejadas.

Os investidores podem se beneficiar através da participação da ICO

Em termos de como os investidores podem se beneficiar da ICO, a questão certamente terá um apelo aos investidores que desejam introduzir mudanças e beneficiar aqueles que a revolução digital ultrapassou.

A Internet tem um impacto profundo na economia, com um documento de trabalho intitulado "Impactos da tecnologia da informação sobre produtividade, bem-estar e mudança social" da Universidade de Queensland por Clem Tisdell, afirmando que o aumento da banda larga aumenta o PIB per capita de 0,9 a 1,5 pontos percentuais para cada aumento de 10% na seção de ponto de banda larga.

Conversamos com Victor Santos, CEO e cofundador da AirFox sobre como os investidores podem lucrar investindo em seu esforço de crowdfunding.

Ele disse:

"Os investidores poderão manter os AirTokens que serão utilizados pelos credores e anunciantes para patrocinar a Internet móvel de milhões de usuários. Haverá um mercado para compradores e vendedores de AirTokens. Aqueles que desejam levar os AirTokens e emprestar microcrédito aos usuários, também poderão ganhar interesse usando os dados que coletamos no smartphone".

A AirFox planeja transformar o acesso à Internet para milhões

As ofertas da AirFox como a AirFox Recharge e o Navegador AirFox ajudarão usuários pré-pagos em redes telefônicas em todo o mundo a ganhar AIR gratuitamente através de microcréditos, bem como publicidade.

Esses tokens serão resgatáveis com pelo menos 500 operadoras de telefonia móvel. O navegador AirFox ajudará os usuários a bloquear publicidade externa e rastreadores que consomem dados móveis preciosos e caros.

Ao optar por anúncios AirFox, eles também podem ganhar AIR. Existe também o aplicativo AirFox Recharge que paga em tokens AIR para completar tarefas, como pesquisas, fazer compras ou assistir a vídeos.

Esses tokens podem ser resgatados. Há também planos para oferecer microcréditos aos usuários através deste aplicativo.

Transformar uma crise em uma oportunidade

Hoje, muitas pessoas que vivem na pobreza têm smartphones. Os smartphones oferecem um ponto de entrada barato e acessível para acessar a Internet. Muitos dos pobres usam um smartphone como um dispositivo primário para acesso à Internet.

Utilizar esses telefones para fornecer serviços financeiros faz muito sentido, considerando que dois bilhões de pessoas no mundo ainda não têm acesso ao sistema bancário de acordo com o banco mundial.

Eles também acrescentam que um por cento da população mundial só usa contas de dinheiro móvel, enquanto na África sub-sahariana esse número é tão alto quanto 12%. A AirFox planeja transformar esta crise em oportunidades para todos os envolvidos.

Populações mal atendidas podem acessar os dados móveis e bancários, as novas operadoras de telefonia móvel e os próprios AirFox podem monetizar o capital móvel inativo.

Santos diz sobre o microcrédito:

"Um sistema financeiro descentralizado pode liberar capital para bilhões de pessoas. O AirToken pretende ser a moeda de fato que dá aos usuários em mercados emergentes o acesso ao capital móvel através de uma rede de operadoras de telefonia móvel pré-pagos. Nossa plataforma estende a infraestrutura de telecomunicações existente de operadoras pré-pagas que atua como um banco para esses assinantes, usando tempo de antena e dados móveis como mecanismo de recarga para fornecer acesso de capital. Os desatendidos podem não ter uma conta bancária, mas eles têm uma conta pré-paga com a operadora sem fio local.

Dados como uma moeda universal

A AirFox adotou uma abordagem única para abordar dados e microcréditos. Ao empurrar ambos ao mesmo tempo, eles podem alcançar um multiplicador de força.

O Grameen Bank, um microlender do Bangladesh, percebeu o potencial da telefonia móvel no início da tecnologia. Eles permitiram que as pessoas pobres em aldeias remotas possuíssem telefones de vila e tocassem "quiosques de informações".

Os resultados em Bangladesh têm sido encorajadores, o programa que começou em 1997, instalou 40 mil telefones de aldeia em 2004 e cobriu sete milhões de pessoas.

A AirFox tem o mesmo potencial, mas em escala mundial. Eles planejam basicamente usar dados como capital.

Santos diz:

"Usamos dados simplesmente como uma moeda universal, com um ecossistema off-line já estabelecido para converter os AirTokens". Explicando seus planos de expansão, ele conta à Cointelegraph: "Pretendemos focar a América Latina primeiro, mas, eventualmente, o Sudeste da Ásia como mercado secundário. O Brasil é o primeiro mercado que testaremos os microcréditos e obteremos o modelo antes de expandir para o México e países vizinhos".

 

Aviso Legal: a Cointelegraph não endossa nenhum conteúdo ou produto nesta página. Embora tenhamos o objetivo de fornecer todas as informações importantes que possamos obter, os leitores devem fazer suas próprias pesquisas antes de tomar quaisquer ações relacionadas à empresa e assumir a total responsabilidade por suas decisões, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.


Siga-nos no Facebook