'Unknown Fund' doará US$ 75 milhões em Bitcoin para startups focadas em privacidade

Uma organização anônima apelidada de "Unknown Fund" (Fundo Desconhecido), planeja doar US $ 75 milhões em Bitcoin (BTC) para startups focadas no anonimato e na proteção de dados pessoais.

Em um comunicado à imprensa em 13 de novembro, a organização - que consiste em “pessoas comuns e anônimas de diferentes países” - disse que doará o dinheiro para startups que apóiem a idéia do anonimato e operam especificamente em áreas como a proteção de dados pessoais, ferramentas de anonimato, criptomoedas e blockchain.

Combate ao uso indevido dos dados pessoais

A idéia por trás das doações é combater a manipulação de pessoas pela política, redes de mídia social e outros partidos que coletam dados pessoais de indivíduos, o que, segundo o Unkown Fund, provou ser uma ferramenta "incrível e assustadora".

O projeto supostamente começou no 4chan, um painel de imagens anônimo em inglês, e afirma ter o apoio do grupo hacktivista Anonymous, que ele cita como tendo dito:

“Agora, o principal objetivo das grandes empresas é coletar o máximo de informações possível sobre a vida pessoal das pessoas e usá-las para seu enriquecimento. E eles fazem um ótimo trabalho fazendo as pessoas comuns ficarem mais pobres. Estamos prontos para lutar por mudanças e proteger as pessoas ".

O Unknown Fund argumenta que a implantação da tecnologia blockchain e das moedas digitais pode ajudar a proteger os direitos e liberdades das pessoas e, eventualmente, desenvolver um novo ambiente, com um sistema monetário confiável.

Blockchain na proteção de dados pessoais

Muitos participantes do setor questionaram a capacidade da blockchain de garantir a proteção de dados pessoais. Falando com o Cointelegraph em agosto, Timothy Paolini, membro do conselho da NYU Blockchain, declarou:

“As blockchains são construídas com base nos princípios da descentralização, removendo o ponto único de risco de falha (pense nos servidores Equifax) e cortando terceiros desnecessários, estabelecendo uma rede mais direta, ponto a ponto. Isso também mantém sua privacidade e controle de seus dados de aplicativos de terceiros, pois os dados repousam no protocolo e não no aplicativo.”

Deirdre K. Mulligan, professor assistente da Universidade da Califórnia, Escola de Informação de Berkeley, argumentou que as cadeias de blocos não protegem inerentemente sua identidade, pois podem ser manipuladas por seus arquitetos para serem centralizadas e não anônimas. Mulligan declarou:

“As empresas podem exercer o controle sobre como projetam um aplicativo, por meio de sua arquitetura, configurações padrão, o que ele comunica em suas políticas de privacidade e o que faz na prática. O valor para um consumidor preocupado com sua privacidade, dependeria do aplicativo blockchain e do tipo de dados coletados e processados por ele.”