Mulheres da ONU usarão tecnologia Blockchain no programa de trabalho para refugiados na Jordânia

A ONU Mulheres - uma entidade das Nações Unidas para a igualdade de gênero e empoderamento das mulheres - usará a tecnologia blockchain para transferências de renda nos campos de refugiados da Jordânia, de acordo com um comunicado de imprensa da ONU em 18 de setembro.

Pelo anúncio, a ONU Mulheres, em parceria com o Programa Mundial de Alimentos (PMA), usará a tecnologia blockchain para transações em dinheiro nos campos de Za'atari e Azraq. A população acumulada de ambos os campos é de mais de 115.000.

As mulheres refugiadas que participam do programa Mulheres para o trabalho da ONU podem obter seu dinheiro diretamente sem a ajuda de terceiros, como bancos. A iniciativa explorará duas opções, permitindo que os participantes recebam dinheiro de volta nos supermercados contratados pelo WFP ou paguem suas compras diretamente.

A nova solução blockchain é baseada em um projeto anterior do WFP chamado Building Blocks, que já permitiu que 76 mil refugiados sírios em Zaatari comprassem alimentos usando uma leitura de íris em vez de dinheiro ou cartões. Para acessar seus fundos, os participantes digitalizam seus olhos, que posteriormente se conectam a uma conta em um blockchain.

Além disso, a UN Women está oferecendo cursos para melhorar a alfabetização financeira por meio de uma série de seminários, nos quais os participantes podem acompanhar suas compras recentes e visualizar o histórico da conta do Building Blocks.

A ONU aplica uma ampla gama de soluções blockchain em seus projetos humanitários. Como a Cointelegraph relatou anteriormente, a organização fez uma parceria com a World Identity Network (WIN) para criar um sistema de identidade digital baseado em blockchain para ajudar a combater o tráfico de crianças.

Além disso, a ONU vai dedicar uma seção inteira da 73ª Sessão da Assembléia Geral para discutir o uso de blockchain para o bem social no final de setembro.