Dois mineradores supostamente executam ataque de 51% na blockchain do Bitcoin Cash

Dois mineradores supostamente executaram um ataque de 51% na blockchain do Bitcoin Cash (BCH), de acordo com tuítes do apresentador do Cryptoconomy Podcast, Guy Swann, em 24 de maio.

Um ataque de 51% ocorre quando alguém controla a maioria do poder de mineração em uma rede blockchain de Prova de Trabalho. Isso significa que o verificador de bloco majoritário pode impedir que outros usuários minerem e revertam transações.

Embora muitos tenham assumido que um ataque de 51% seria realizado com intenção maliciosa, o caso acima ocorreu quando os dois pools de mineração tentaram impedir que uma parte não identificada pegasse algumas moedas que — devido a uma atualização de código — estavam essencialmente em disputa. .

De acordo com Swann, dois mineradores com controle majoritário da rede — BTC.top e BTC.com — realizaram o ataque em um esforço para impedir que um minerador desconhecido levasse moedas que foram enviadas para um endereço “qualquer um pode gastar” seguindo o hard fork original em maio de 2017. De acordo com os tuítes de Swann:

"Quando o minerador desconhecido tentou pegar as moedas, o http://BTC.TOP e o http://BTC.COM viu e imediatamente decidiu reorganizar e remover essas transações [TX], em favor de seus próprios TXs, gastando as mesmas moedas P2SH, + muitas outras... Então, apenas 2 mineradores, em segredo, sem problemas, assumiram a responsabilidade de remover 2 blocos com TXs de outro e os substituir por seus próprios.”

Em geral, 51% dos ataques foram considerados uma opção indesejável e não lucrativa para obter fundos, pois exigiria uma enorme quantidade de poder computacional e, uma vez que uma rede fosse considerada comprometida, os usuários fugiriam dela.

De acordo com as estatísticas do Coin.Dance, BTC.top e BTC.com controlam 43% do pool de mineração de Bitcoin Cash.

Como relatado pelo Cointelegraph, o blockchain do Ethereum Classic (ETC) sofreu um ataque de 51% em janeiro. Pesquisadores da exchange crpto Gate.io descobriram que um invasor havia revertido quatro transações, resultando em uma perda de 54.200 ETC. A exchange prometia compensar os usuários afetados e aconselhava outras plataformas de negociação a bloquear as transações iniciadas pelo endereço do invasor.