Principais protocolos do token Ethereum que podem substituir o ERC20

Aviso legal: As opiniões expressas aqui são do próprio autor e não representam necessariamente as opiniões da Cointelegraph.com

Hoje, qualquer pessoa pode criar um contrato inteligente com base no blockchain Ethereum e liberar seus próprios tokens. Até recentemente, a implementação de uma moeda em particular era inteiramente confiada ao desenvolvedor daquela moeda, e tinha uma natureza experimental muitas vezes acompanhada por vários problemas relacionados - incluindo o congelamento de fundos de investidores, hackeamento de contratos ou operação de rede imprevisível. .

Nesta atmosfera de "Velho Oeste", estão sendo criados novos protocolos Ethereum - que são projetados para corrigir os erros das versões anteriores. Talvez um deles substitua o ERC20 até o final do ano, tornando o trabalho com o blockchain ainda mais confiável e simples para os usuários.

ERC20: O rei dos dApps

As lógicas fáceis de usar e a estrutura simplificada transformaram o Ethereum em uma estrutura altamente exigida, com quase 83% dos projetos escolhendo o blockchain Ethereum para a estrutura subjacente.

Fonte da imagem: ICOWatchList

Mais de uma dúzia de importantes tokens são baseados no padrão ERC20, e cerca de 400 novas moedas são emitidas todos os dias. Embora esses números pareçam irreais, a classificação Coinmarketcap e o Ethereum Tokens Chart demonstram que a capitalização de mercado total desses tokens é de cerca de US $ 52,6 bilhões. Além disso, este processo parece estar totalmente descontrolado, uma vez que não existe legislação para regular a frequência ou o iniciador da questão.

Fonte da imagem: Ethplorer

Você pode ver referências a "ERC20" ao ler informações sobre o Ethereum (ETH). O ERC20 é um padrão que é o mais comum e amplamente utilizado na plataforma Ethereum. A Wikipédia fornece ao padrão a seguinte definição:

ERC significa Ethereum Request for Comment (Requisição para Comentário do Ethereum, em tradução livre), e 20 é o número que foi atribuído a essa solicitação.

O padrão ERC20 foi introduzido em 2015. Embora inicialmente tenha sido usado apenas por programadores, o padrão ganhou ampla adoção em apenas dois anos. A norma descreve as regras para a criação e operação de moedas desenvolvidas em sua base. Tais especificações eram uma solução inovadora na indústria de cripto, já que até então não havia padrões de programação unificados - e resolvia o principal problema encontrado pelos criadores de novos tokens.

A questão era que todas as moedas emitidas antes da introdução deste padrão eram completamente únicas, o que complicou muito o trabalho de casas de câmbio, carteiras e outras aplicações usadas para interagir com novos tokens. Cada vez que os desenvolvedores precisavam alterar ou adicionar uma camada ao software, para que a nova moeda funcionasse de maneira estável e compatível com o sistema.

Em 2017, o padrão ERC20 começou a ser usado em todos os lugares graças à uniformidade do código e à integração simplificada com vários aplicativos e plataformas. Isso desencadeou o crescimento explosivo das startups das ofertas iniciais de moedas (ICO), que agora tinham as ferramentas necessárias para entrar nas bolsas e superar os problemas de liquidez.

Fonte da imagem: Smith&Crown

Logo após a implementação do ERC20, o número de ICOs de startups no mercado de criptomoedas aumentou substancialmente com quase 86.000 tokens emitidos até maio de 2018. Não é de surpreender que os projetos não precisem mais inventar suas próprias especificações e regras para a emissão e operação de tokens, ou para desenvolver padrões para sua compatibilidade com um blockchain separado. Tudo isso já foi descrito no padrão ERC20 com a introdução de seis funções principais:

  • Quantidade total de moedas;
  • Número de moedas no saldo de um endereço específico;
  • Funções para transferência de tokens do endereço principal para o endereço do usuário individual ou participante da ICO;
  • Funções para transferência de tokens entre usuários;
  • Funções para verificar a quantidade residual de tokens em um contrato inteligente com a capacidade de retirar fundos;
  • Funções que garantem que o remetente tenha tokens suficientes para concluir a transação no momento do envio.

Contratos inteligentes: nascimento de uma nova economia

O principal segredo do sucesso do padrão ERC20 é a introdução de contratos inteligentes. Embora os princípios básicos dos contratos inteligentes já tenham sido implementados no blockchain do Bitcoin, suas capacidades eram severamente limitadas e não eram adequadas para criar tokens para dApps individuais. Por isso que o Ethereum pode ser considerado a primeira plataforma que desenvolveu completamente o conceito de contratos inteligentes e o implementou.

Fonte da imagem: Openxcell.com

A ideia principal do contrato inteligente é a seguinte: quando um usuário envia tokens para o endereço de um destinatário, o saldo de endereço do remetente é reduzido, enquanto o do destinatário aumenta para o mesmo valor. O que há de especial nisso? Ninguém envia tecnicamente nada para ninguém. Na verdade, o contrato inteligente é informado sobre a alteração no saldo do proprietário por uma quantidade definida de tokens. Como resultado, os tokens desaparecem da carteira do remetente, aparecendo no endereço do destinatário. Graças a esse sistema, os nós da rede não precisam mais verificar constantemente o banco de dados. Tudo o que eles precisam fazer agora é verificar a exatidão de todos os termos do contrato, já que as partes - o remetente e o destinatário - interagem exclusivamente por meio de contratos inteligentes.

Clamando por mudanças

Como o padrão ERC20 foi a primeira versão do protocolo baseado no Ethereum, ao longo do tempo, vários problemas e deficiências foram revelados. Por exemplo, se os usuários enviassem acidentalmente tokens para o endereço de um contrato inteligente, a reversão da transação era impossível. Isso se deve ao fato de que a implementação padrão do token ERC20 envolve duas maneiras de tranferir tokens:

  • A função de transferência, que permite enviar tokens de um endereço para outro;
  • Uma combinação de funções (approve + transferFrom) para enviar tokens para um contrato inteligente.

Deve-se notar que o processamento de eventos é uma prática bem conhecida e padrão na programação. Portanto, a transferência de fundos na rede Ethereum funciona da seguinte maneira - a transferência é processada com a possibilidade de detectar erros. Nesse caso, a transação é considerada concluída somente após uma transferência bem-sucedida de fundos e na ausência de erros. Caso contrário, o contrato inteligente cancela a transação. Se você enviar ETH para um contrato inteligente que não funciona com ele, o processamento desse evento ajudará a evitar a perda de fundos, pois essa transação será rejeitada no lado do destinatário.

De acordo com o padrão ERC20, as transmissões de token devem ser consideradas como um evento, mas a função de transferência não permite o processamento dessa transação, porque simplesmente aumenta o saldo do recebedor sem nenhuma pré-verificação. Isso pode levar a um problema quando o contrato não reconhece a transação se o destinatário for um contrato inteligente e os tokens forem enviados usando a função "transferência". Isso causa um comportamento inesperado da função de transferência e leva a um resultado imprevisível - isto é, os tokens podem ser perdidos e permanentemente congelados.

Como os criadores do Ethereum resolveram este problema? A resposta foi simples - desenvolvedores que introduziram as funções de aprovação e transferFrom, dando ao usuário o direito de permitir que o contrato inteligente retire seus fundos ao enviar uma transação. Todos os erros foram excluídos desde então.

Vale ressaltar que os próprios desenvolvedores não consideram isso um erro:

Isso não é um bug e sim um erro do usuário. Não é um bug ou uma vulnerabilidade, é um recurso do design padrão do ERC20.

No entanto, esse problema persiste - com mais de US $ 4 milhões perdidos pelos participantes de ICO durante o último ano. Um exemplo significativo é o contrato inteligente da venda de token do EOS, que recebeu cerca de US $ 2,1 milhões dos usuários que não puderam recuperar seus fundos.

Entre outros contratos que embolsaram os fundos dos investidores estão os da Tronix - US $ 400.000, Golem e ZRX - mais de US $ 200.000 cada, e a OmiseGo com mais de US $ 150.000 congelados até o momento. Parece que os novos usuários não estão aprendendo com os erros dos outros.

ERC223: Correção de erros do ERC20

Crador: Dexaran

Tipo: token padrão

Para resolver a vulnerabilidade da primeira versão do protocolo Ethereum, um usuário chamado Dexaran desenvolveu o padrão ERC223, que forçou o padrão ERC20 a se comportar da mesma maneira que ao transferir ETH para contratos inteligentes. Agora, no caso de um erro na função de transferência, quando o contrato inteligente não suporta esta cripto, a transação é cancelada. Para isso, duas novas funções foram introduzidas:

  • A função de transferência substituindo a antiga transferência e transferFrom;
  • A função tokenFallBack para o contrato inteligente de destino, que determina o tipo de moedas enviadas.

Muitas vezes, novos padrões são propostos para tokens. Como regra geral, eles são cuidadosamente examinados pelos desenvolvedores da comunidade de cripto e de blockchain. Alguns deles, pouco conhecidos, ainda têm potencial para substituir o ERC20.

 

 

 

 

ERC721: CryptoKitties e outras coleções

Criador: Dieter Shirley

Tipo: token colecionável

Os tokens criados com a ajuda do padrão ERC20 são intercambiáveis. Em outras palavras, cada token é o mesmo que o outro. Se alguém está considerando isso como uma moeda, esta propriedade é simplesmente necessária, mas do ponto de vista de "criptomoeda colecionável" tal como um token não serve para nada.

Graças ao ERC721, cada token se torna único. Mike Raitsyn, cofundador da plataforma SnowFox, que ajudou projetos com a emissão de mais de 30 tokens, incluindo o ERC721, o potencial neste tipo de protocolo:

“Combinados com soluções de escalonamento de Camada 2 (sharding, Plazma e canais estatais), obtemos o melhor veículo para colocar todos os ativos significativos em um blockchain público (ou híbrido, se você quiser) com 100% de imutabilidade e segurança”.

Os desenvolvedores do jogo on-line "avassalador do Ethereum” CryptoKitties foram os primeiros a usar esse padrão. Baseia-se no uso de atributos únicos: idade, cor, raça. Alguma mistura de atributos pode se tornar incrivelmente rara, tornando um gatinho muito caro. Não é de surpreender que essa ideia tenha sido adotada por outros projetos de entretenimento, como CryptoPuppies, CryptoPets e até CryptoPunks.

ERC827: Novo ERC20

Criador: Augusto Lemble

Tipo: token padrão

O ERC827 é uma das versões mais recentes dos protocolos do Ethereum e foi chamado pelo jornalista de blockchain Dariusz R Jakubowski de “um novo ERC20”. Ao contrário de seu antecessor, esse padrão pode transferir não apenas o custo, mas também os dados da transação. Os desenvolvedores conseguiram adicionar essa função útil em um fragmento de código relativamente pequeno com um tamanho de menos de 100 linhas. Esta funcionalidade expande os horizontes do uso da rede Ethereum em escala nacional e permite mover dados ao redor do mundo em questão de segundos. Além disso, esse padrão permite verificar uma transação por um terceiro, por exemplo, um corretor ou agente, sem acesso a uma chave privada. A segurança e confiabilidade do blockchain são ao mesmo tempo inalteradas.

ERC948: Paraíso para executivos de "negócios para consumidor"

Criador: Kevin Owocki

Tipo: token por assinatura

O modelo de "assinatura" tornou-se extremamente popular no mundo digital, com mais de 11 milhões de clientes atraídos apenas no ano passado. Um estudo da empresa McKinsey mostrou que 15% de todos os compradores haviam se inscrito no comércio eletrônico em 2017.

O protocolo ERC948 oferece aos desenvolvedores uma oportunidade de construir uma plataforma na qual as empresas podem alavancar um modelo econômico que se mostrou valioso no setor de varejo e software na última década. Além disso, o modelo de assinatura pode ganhar um spread mais amplo em 2018 ao unir projetos blockchain com seus clientes.

ERC884: "Lista branca" para investidores

Criador: Dave Sag

Tipo: token padrão

Com base no projeto de lei de 2017, a Lei Geral das Empresas de Delaware (DGCL) permitiu oficialmente o uso de blockchains para registrar os acionistas. O ERC884 foi criado para ativos liberados por qualquer empresa pública ou privada em Delaware e contém vários add-ons além dos recursos do ERC20. Isso inclui o requisito de identificar e colocar na lista de permissões os proprietários de tokens como parte integral do próprio token.

Evolução de protocolos

A crescente concorrência entre as principais criptomoedas aumenta a evolução no desenvolvimento de novos protocolos. Cada novo padrão token Ethereum oferece um conjunto mais avançado de funções que superam as existentes. A introdução desses novos padrões permite que os desenvolvedores solucionem o backlog de vulnerabilidade, uso indevido ou ineficiência e dê origem a dApps de blockchain mais maduros. A oportunidade está madura para 2018 para ver novos protocolos, e só o tempo dirá se a indústria presenciará o ERC20000 ou outras ferramentas inovadoras que surgirão como resultado da corrida armamentista entre o Ethereum e o EOS.