Tomates são o próximo produto a experimentar a revolução Blockchain

Como os tomates saíram nas manchetes por razões erradas recentemente, as start-ups Blockchain estão adicionando imutabilidade à cadeia de abastecimento internacional da fruta. A ideia do ex-banqueiro da Wells Fargo, Raja Ramachandran e do executivo da Nasdaq, Phil Harris, uma dessas start-ups tem como objetivo reimaginar o mercado apesar de enfrentar críticas.

A gerente de projeto, Caroline Myran, disse à Bloomberg na quinta-feira:

"Há muita fraude em origens alimentares, especialmente agora que está quente. As pessoas dizem "isso é local", ou "isso é orgânico", ou "isso é cultivado usando certas práticas". Com este sistema, você pode provar isso".

A Itália recentemente ganhou significativa publicidade negativa após uma investigação revelar uma exploração em massa em plantações de tomate no sul do país. Através da provisão de rastreamento imutável, o setor poderia em breve obter o tipo de atualização de reputação que o Blockchain está atualmente oferecendo ao café e agricultura.

Liz Reitzig, fundadora da NourishingLiberty, disse à Cointelegraph:

"Obter o pagamento pelo trabalho é um grande desafio no mundo agrícola, e Blockchain pode aliviar parte disso".

Embora ainda esteja em seus estágios iniciais, no entanto, o conceito está atraindo detratores que consideram o Blockchain ser de uso limitado no campo. O CEO da Paxos, Charles Cascarilla, expressou sua preocupação com o uso excessivo do Blockchain:

"[Blockchain] é uma ferramenta, e você deve aplicá-la ao conjunto certo de problemas. O que é muito bom é saber quem possui o que e quando. Não é uma bala mágica".