A terceira maior casa de câmbio de criptomoedas lança fundo baseado em cripto

A Huobi, terceira maior corretora de criptomoedas do mundo em volume , está lançando um fundo negociado (ETF) baseado em cripto hoje 1 de junho, de acordo com um anúncio da empresa em 31 de maio.

Um ETF é um derivativo financeiro, mais especificamente um tipo de fundo mútuo que divide a propriedade dos ativos subjacentes - neste caso os ativos cripto - em ações. O ETF rastreia o valor desses ativos e é negociável durante as horas de trabalho em uma casa de câmbio. Os acionistas têm direito a uma parcela dos lucros do fundo, que são baseados em juros obtidos a longo prazo ou especulações de curto prazo sobre as flutuações diárias do mercado.

O novo ETF da Huobi - chamado 'Huobi 10' - é baseado no índice de mercado recentemente lançado, que monitora os 10 ativos digitais mais negociados da bolsa contra Tether (USDT) em tempo real, usando um método de cálculo da média ponderada.

A Huobi sugere que o novo instrumento de investimento potencialmente ajudará os novos usuários a ganhar exposição aos mercados de criptomoeda, dando-lhes uma participação em uma cesta diversificada de ativos. Isso permitiria que os investidores que não querem seguir os ativos cripto individuais aceitem a tendência geral do mercado e desconsiderem o "ruído" de moedas individuais.

O ETF da Huobi agora está aberto para assinaturas, com opção de pagamento usando Tether (USDT), Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) ou o token nativo da Huobi (HT). As assinaturas estão limitadas a um intervalo entre 100 USDT e 10 milhões de USDT ou equivalente para cada conta.

Os ETFs baseados em cripto têm sido discutidos como um potencial santo graal ’para a indústria de criptomoeda. Embora alguns já estejam sendo negociados em alguns países - incluindo um ETF somente para Bitcoin na bolsa nórdica da NASDAQ - os ETFs são considerados uma segurança negociável que requer regulamentação por autoridades governamentais, e seu futuro principal na cripto aguarda esclarecimentos.

Nos EUA, a Securities and Exchange Commission (SEC) continua a debater ETFs baseados em cripto, tendo levantado preocupações sobre a liquidez, avaliações voláteis e os riscos de fraude e manipulação de mercado. A SEC rejeitou um ETF da Winklevoss em março de 2017 e, em janeiro, duas propostas de ETF relacionadas a Bitcoins foram retiradas a pedido do regulador.