O Banco Central dos Países Baixos: a Blockchain ainda não atende às demandas dos mercados financeiros

A tecnologia Blockchain ainda não está pronta para implementação nos mercados financeiros, de acordo com um relatório do De Nederlandsche Bank (DNB) em 7 de junho.

Após três anos de experiência com a tecnologia Distributed Ledger (DLT), da qual o blockchain é um tipo, o DNB - o banco central dos Países Baixos - concluiu que os algoritmos atuais são incapazes de lidar com o volume de transações de infra-estruturas do mercado financeiro de forma segura e eficiente em termos de energia.

De acordo com o relatório do banco, o DNB desenvolveu e avaliou quatro protótipos com o objetivo de obter uma melhor compreensão da tecnologia e sua potencial utilidade para melhorar os pagamentos e o tráfego de títulos.

Após avaliar os resultados de seus testes, o DNB conclui que, embora a tecnologia blockchain seja “interessante e promissora”, os sistemas atuais que não usam DLT “são muito eficientes, podem lidar com grandes volumes e oferecem a segurança jurídica de ter pago”. continuou:

“As soluções blockchain testadas mostram que elas não são suficientemente eficientes, com relação a custos e consumo de energia, e não conseguem lidar com o grande número de transações.”

O De Nederlandsche Bank não é o único banco central a analisar o impacto que a tecnologia blockchain e as criptomoedas podem ter nos bancos. Em março, o Tesouro do Reino Unido anunciou o lançamento de uma força-tarefa de criptomoeda do Banco da Inglaterra e da Financial Conduct Authority. Mais recentemente, na conferência Money20/20 em Amsterdã, em 5 de junho, líderes do Banco da Inglaterra, do Banco da Lituânia, do Banco do Canadá e do Banco Nacional Suíço falaram sobre a relação entre criptomoeda e a esfera bancária tradicional.