Tailândia vai legitimar primeiro portal de ICO através de novo regulamento, diz chefe da SEC

O órgão regulador de títulos e valores mobiliários da Tailândia limpará "pelo menos um" "portal" de Oferta Inicial de Moeda (ICO) para operar legalmente em novembro, informou o jornal local Bangkok Post em 8 de novembro.

Falando à publicação, Rapee Sucharitakul, secretário-geral da Comissão de Valores Mobiliários da Tailândia (Securities and Exchange Commission - SEC), disse que as próprias ICO's também poderiam começar a receber aprovação oficial para atender os mercados tailandeses a partir de dezembro.

“Pelo menos um portal de ICO será certificado em novembro, então poderemos aprovar cada oferta de ICO, que pode começar em dezembro”, disse ele.

A confirmação marca as etapas finais do impulso final da Tailândia para formalizar os mercados de criptomoedas, que começaram com a emissão de um decreto real em maio.

Administrando todas as formas de entidades de criptomoeda das ICO's para as casas de câmbio e “operadores de ativos digitais” mais amplos, a legislação exige que a SEC examine aqueles que desejam operar na Tailândia.

Rapee acrescentou mais cinco desses “operadores” que estavam sendo considerados pelo Ministério das Finanças.

Durante o processo de candidatura, todos continuarão operando normalmente, conforme nota do Bangkok Post, tendo submetido seus pedidos originais dentro de um período especificado de 90 dias após a emissão do decreto de maio.

Uma vez que o processo de certificação está em vigor, no entanto, Rapee sinalizou que a SEC permaneceria avessa a riscos para os participantes do mercado.

"Sempre alertamos os investidores contra serem persuadidos a investir em ofertas de ICO porque podem ser fraudes ou podem não ter liquidez suficiente para negociar", acrescentou, continuando com as advertências feitas no mês passado.

Falando na Cúpula de Financiamento Contra o Terrorismo esta semana, o vice-primeiro-ministro da Tailândia pediu que medidas adicionais sejam introduzidas nacional e internacionalmente no quadro regulatório pendente, a fim de acompanhar novas táticas e ameaças à segurança do consumidor.

No início desta semana, em 5 de novembro, o Departamento de Renda do país revelou planos de usar o blockchain e o aprendizado de música para verificar a validade dos impostos pagos e acelerar o processo de restituição de impostos.