Startup suíça levanta US $ 103 milhões para lançar banco de criptomoedas

A startup SEBA Crypto AG com sede na Suíça levantou 100 milhões de francos suíços (US $ 103 milhões) para criar um banco que oferece serviços relacionados à criptomoeda, informou a Reuters em 26 de setembro.

A SEBA é supostamente liderada por ex-banqueiros do UBS — Guido Buehler como diretor executivo e Andreas Amschwand como presidente — e planeja solicitar uma licença de revenda bancária e de títulos do regulador do mercado financeiro suíço FINMA. Uma licença permitiria que a empresa conduzisse comércio de cripto e investimento em cripto para outros bancos e investidores qualificados.

Buehler disse à Reuters que a SEBA pretende se tornar uma ponte entre o setor bancário tradicional e o setor de criptomoedas. A startup também pretende fornecer financiamento corporativo, incluindo consultas sobre ofertas iniciais de moedas (ICO's) e outros serviços relacionados a ativos digitais para clientes corporativos. Amschwand fez um comentário sobre o projeto:

“Na Suíça, temos o compromisso de várias autoridades de estabelecer um ambiente regulatório abrangente para o desenvolvimento da tecnologia blockchain e o crescimento sustentável e estável dos ativos em cripto.”

A SEBA planeja expandir suas operações para grandes centros financeiros, começando com Zurique em 2019. Entre os investidores que financiaram a SEBA há empresas como BlackRiver Asset Management e Summer Capital com sede em Hong Kong, além de outras da Suíça, Cingapura, Malásia, China e Hong Kong .

No início deste mês, a Associação dos banqueiros suíços (SBA) emitiu diretrizes básicas para os bancos que trabalham com startups blockchain, a fim de evitar um êxodo cripto em massa da Suíça devido à arbitragem regulatória.  

De acordo com o esquema fornecido pela SBA, as empresas blockchain sem ofertas iniciais de moedas (ICO's) devem ser tratadas como outras empresas de pequeno e médio porte. As empresas com ICO's devem seguir regras estritas e estar sob a alçada das leis suíças anti-lavagem de dinheiro (AML) e conheça seu cliente (KYC).

Em agosto, o banco privado de Maerki Baumann começou a aceitar ativos de cripto do pagamento recebido por serviços prestados, bem como daqueles obtidos com a mineração de cripto. Maerki Baumann observou que eles não estão prontos para fornecer investimentos diretos em criptomoedas, mas fornecerão “especialistas” para clientes interessados ​​em investir em cripto.

Em junho, o Hypothekarbank Lenzburg tornou-se o primeiro banco na Suíça a fornecer contas empresariais a empresas de fintech relacionadas a blockchain e cripto. Entretanto, o banco é alegadamente muito seletivo ao aceitar novos clientes e, desde junho, contratou apenas duas empresas do setor de cripto.