Pesquisa: Três entre dez alemães estão considerando o investir em cripto

29% dos alemães estão interessados em criptomoedas como uma forma de investimento,a Cointelegraph auf Deutsch relatou nesta terça-feira, 29 de maio. O banco alemão Postbank chegou a essa conclusão depois de uma pesquisa com 3.100 alemães, realizada entre o final de fevereiro e o final de março de 2018.

Quando perguntados sobre por que estão interessados em cripto, 60% das mulheres e 51% dos homens citaram "independência dos sistemas financeiros estabelecidos" como um fator importante. A possibilidade de retornos elevados, por outro lado, atrai especialmente os homens: 56% contra 36% das mulheres. Para cada terceiro potencial investidor em criptomoedas, o anonimato também é importante.

Em termos de idade, as criptomoedas são particularmente populares entre os jovens entre os 18 e os 34 anos Nessa faixa etária, quase todo segundo - 46% - está interessado em investir em cripto. 6% dos alemães entre 18 e 34 anos já investiram, com outros 14% planejando fazê-lo nos próximos doze meses.

O Dr. Thomas Mangel, chefe do Departamento Digital do Postbank, disse em um comunicado de imprensa que os declínios acentuados de preços nos últimos meses aparentemente não afetaram a popularidade das criptomoedas. Ele acredita que a razão para isso é a falta de conhecimento sobre oportunidades e riscos de criptomoedas como investimento. O Dr. Thomas Mangel adverte:

"Apesar de todo o fascínio, os jovens investidores não devem perder de vista as ofertas do sistema bancário estabelecido Qualquer pessoa que já invista em títulos como investimento certamente não deve investir em criptomoedas devido aos altos riscos envolvidos. Porque esse tipo de investimento é altamente especulativo ".

Muitos banqueiros têm repetidamente alertado contra flutuações de preços nos últimos meses. Por exemplo, o membro do Conselho de Administração do BCE, Yves Mersch as moedas digitais como uma ameaça à estabilidade financeira e pede uma supervisão bancária mais rigorosa. O diiretor de gestão de fortunas do Deutsche Bank Markus Mueller também criticou a alta volatilidade das criptomoedas.