Stellar torna-se "primeiro" blockchain certificado pela Sharia para pagamentos e tokenização de ativos

Stellar, uma plataforma de código aberto para pagamentos distribuídos, é declaradamente o primeiro protocolo de livro-razão distribuído a obter a certificação de conformidade com a Sharia no campo de transferência de dinheiro e tokenização de ativos, de acordo com um post do blog Stellar publicado em 17 de julho.

O Shariyah Review Bureau, uma importante agência internacional de consultoria da Sharia licenciada pelo Banco Central do Bahrein, examinou as capacidades e aplicações do Stellar e divulgou orientações que permitem a implantação da tecnologia Stellar nas instituições financeiras islâmicas.

Com a certificação, o Stellar poderá ostensivamente melhorar seu ecossistema em regiões onde a operação no campo de serviços financeiros exige o cumprimento dos princípios de financiamento islâmicos. Este movimento permitirá que instituições financeiras localizadas no Conselho de Cooperação do Golfo e em algumas partes do Sudeste Asiático implementem a tecnologia Stellar em suas ofertas de produtos e serviços compatíveis com a Sharia.

Enquanto o Stellar se autodenomina “o primeiro” protocolo de livro-razão distribuído na área de transferência de dinheiro aprovado pela Sharia, a criptomoeda NOORCOIN foi certificada com um Certificado Sharia do Comitê Consultivo Mundial Sharia em março, chamando a si mesma de “o primeiro token de serviço compatível com a sharia”.

Em abril, o Bitcoin (BTC) foi reconhecido como “geralmente permissível” sob a lei da Sharia, de acordo com um relatório divulgado por um conselheiro interno da Sharia para a startup de fintech Blossom Finance. O autor do relatório, Muhammad Abu Bakar, conclui com uma advertência, dizendo que, embora ele considere as moedas digitais como sendo halal (permissível), na maioria dos casos os comerciantes não devem comprá-las para fins de investimento.

No mês passado, o laboratório blockchain sul-coreano IncuBlock assinou um Memorando de Entendimento com um comitê consultivo do governo da Malásia para o desenvolvimento de tecnologia de blockchain permissível sob a lei Sharia. As entidades trabalharão no desenvolvimento de uma plataforma blockchain e de um aplicativo descentralizado (DApp) que atenderá aos “requisitos sociais” a serem considerados halal pela Comissão Sharia.