Governador do Banco Central espanhol acredita que as criptos trazem mais riscos do que benefícios

O governador do Banco da Espanha se pronunciou a favor das possibilidades do blockchain, mas contra os riscos das criptomoedas, segundo a imprensa local Europe Press Financial reportou hoje quarta-feira, 23 de maio.

Luis María Linde referiu-se ao blockchain como uma tecnologia que “oferece possibilidades interessantes”, mas ainda “pouco madura” em um discurso em uma reunião de líderes do setor financeiro organizada pela Deloitte e duas organizações espanholas. Linde observa que a atual mudança global para uma economia digital requer que os reguladores incentivem a inovação sem trazer os riscos para além dos "limites razoáveis":

“A mudança para uma economia mais digital é acompanhada por maiores ameaças cibernéticas e é necessário desenvolver novas medidas para proteger processos, ativos e dados de clientes.”

Em relação às criptomoedas, Linde acredita que elas atualmente apresentam “mais riscos do que benefícios”, chamando-as de “novidades falsas que não fornecem melhorias significativas e devem ser resolvidas o mais rápido possível”:

"Elas têm baixa aceitação como meio de pagamento, sofrem extrema volatilidade, apresentam múltiplas vulnerabilidades operacionais e têm sido relacionadas a atividades fraudulentas ou ilícitas em muitos casos.”

O Bitcoin (BTC) não é considerado como moeda legal na Espanha, mas pode ser considerado como um bem digital e suas transações podem ser regidas pelas regras de troca no código civil da Espanha, de acordo com a Library of Congress.

No final de abril, um banco multinacional espanhol BBVA tornou-se o primeiro a conduzir todo um processo de empréstimo, desde a negociação até a assinatura, usando a tecnologia blockchain. Em meados de fevereiro, um parlamentar do Partido do Povo da Espanha informou que está preparando a legislação para conceder incentivos fiscais a empresas que usam o blockchain como forma de promover a inovação no país.