Volumes de negociação de Bitcoin na LocalBitcoins da Coreia do Sul atinge novos níveis recordes

Os volumes de negociação de Bitcoin (BTC) na Coréia do Sul atingiram, recentemente, novos patamares na LocalBitcoins uma exchange baseada em peer-to-peer (P2P), de acordo com gráficos do serviço de estatísticas de BTC, Coin Dance.

De acordo com os dados, os volumes de negociação semanais de bitcoin aumentaram nas últimas duas semanas, particularmente na última semana foi registrado uma nova alta de cerca de 219 milhões de won sul-coreanos (US $ 185.000).

Volume semanal de trade na LocalBitcoins da Coreia do Sul. Fonte: Coin Dance


Fundada na Finlândia em 2012, a LocalBitcoins oferece operações de balcão (OTC) permitindo a compra de bitcoin com a moeda local do país em que a plataforma atua por meio de negociações P2P. A plataforma finlandesa de criptomoedas é especialmente popular na América Latina, sendo a Venezuela e a Colômbia responsáveis por 85% dos volumes de negociação da LocalBitcoins até fevereiro de 2019.

De acordo com dados do site de análise de criptomoedas Coinhills, o won sul-coreano é uma das moedas mais populares entre as moedas nacionais, contra o bitcoin. Contabilizando cerca de 20.000 btc (US $ 173 milhões) em volumes diários de negociação contra o bitcoin, o won é classificado como a terceira maior moeda nacional negociada contra o BTC depois do dólar americano e do iene japonês.

Top 8 moedas nacionais negociada contra o bitcoin. Fonte: Coinhills


Em meados de abril, a principal exchange de criptomoedas sul-coreana, a Coinnest, começou a fechar seus serviços, supostamente resultado do estendido bear market de 2018. Posteriormente, a Cointelegraph informou que o número de sul-coreanos comprando criptomoeda com moeda fiduciária aumentou significativamente, enquanto a quantidade de investimento em criptoativos em 2018 subiu 64% em relação a 2017.

Na semana passada, a LocalBitcoins proibiu os residentes iranianos de usar seus serviços, já que a exchange supostamente restringia as transações iranianas para cumprir as regulamentações financeiras na Finlândia, bem como as sanções impostas pelos Estados Unidos.