Coreia do Sul revê sua posição sobre cripto para se tornar um paraíso Blockchain

A Coreia do Sul, o país que está na vanguarda da indústria cripto desde o boom dos investidores em 2017, está gradualmente mudando sua visão sobre as criptomoedas. Embora o levantamento da proibição geral da ICO tenha sido anunciado pelos officials no mês passado, o país tem sido vocal sobre sua intenção de liderar a quarta revolução industrial, impulsionada por iniciativas blockchain.

Breve história da regulação da cripto na Coreia do Sul

A Coréia do Sul vem regulando de perto a indústria cripto. Primeiro, em julho de 2017, o governo legalizou o Bitcoin como um método de remessa, permitindo que as empresas de tecnologia financeira processassem até US $ 20.000 em won sul-coreanos em Bitcoin para usuários. Como resultado, as plataformas de troca locais estavam vinculadas ao principal regulador financeiro do país, a Financial Services Commission (FSC), que exigia que pelo menos US $ 436.000 fossem retidos, além de instalações de processamento de dados para Conheça seu Cliente (KYC) e Antilavagem de Dinheiro (AML), a fim de obter a aprovação do cão de guarda.

Assim, a indústria Bitcoin na Coréia do Sul continuou a crescer — em julho de 2017, o mercado de câmbio local já processou mais de 14% dos negócios globais de Bitcoin, sendo o terceiro maior mercado atrás dos EUA e do Japão — mas logo foi atingido pelos chineses. como proibição geral de ICOs, instituída pelo FSC. A agência explicou o movimento com riscos crescentes de fraudes financeiras, provocando liquidações nos mercados.

Além disso, em dezembro de 2017, o governo notoriamente proibiu o comércio anônimo em casas de câmbio locais (se seus dados bancários não corresponderem aos detalhes fornecidos à bolsa, você não pode negociar criptomoedas) depois que o primeiro-ministro sul-coreano afirmou que Bitcoin poderia levar as crianças a "atividades ilícitas, tais como tráfico de drogas" — estrangeiros e menores também foram proibidos de negociar como resultado da política; Autoridades do governo foram proibidos de deter ou negociar cripto no final de março de 2018. O mercado foi agistado várias vezes, reagindo às notícias. O pânico se intensificou quando surgiu um anúncio de que o comércio de Bitcoin seria totalmente banido — no entanto, logo foi desmentido pela Casa Azul, o escritório executivo e residência oficial do presidente sul-coreano.

Naquela época, de acordo com a autorregulatória Blockchain Industry Association (KBA), o país tinha mais de uma dúzia de trocas de criptomoedas, incluindo Bithumb, Korbit e Coinone. A demanda por cripto era tão alta que as criptomoedas eram negociadas a preços mais de 30% mais altos que em outros países. Logo após a anónima proibição de negociação ser anunciada, a CoinMarketCap removeu várias bolsas sul-coreanas das suas listagens — citando divergência de preços — provocando uma grave queda no mercado. O Ripple (XRP) foi particularmente afetado, pois viu uma perda imediata de mais de US $ 20 bilhões em capitalização de mercado, e uma queda de preço de quase 30%.

Em 22 de janeiro, o governo sul-coreano também anunciou uma substancial taxação sobre as casas de câmbio de cripto locais. Assim, todas as plataformas de negociação de cripto no país são obrigadas a pagar um imposto corporativo de 22% e um imposto de renda local de 2,2 por cento.

Grandes planos para o blockchain

Em 29 de maio, a Assembleia Nacional propôs oficialmente mais uma vez a legalização das ICOs domésticas. Embora os planos para suspender a proibição total das ICOs tenham começado a surgir em dezembro de 2017, não é surpresa que o anúncio autorizado tenha sido feito recentemente, pois parece estar sincronizado com as projeções pró-blockchain do governo. Quando o deputado Hong Eui-rak, do Partido Democrático da Coreia no poder, anunciou pela primeira vez que os legisladores estavam trabalhando no projeto de lei para suspender a proibição da ICO, ele mencionou:

"O principal objetivo (da legislação) é ajudar a remover as incertezas enfrentadas pelos negócios relacionados ao blockchain".

De fato, a Coreia do Sul tem alimentado grandes planos para blockchain e recentemente começou a agir sobre eles. Em 22 de junho, o Ministério da Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul (MSIT) e o Departamento de Estado dos EUA anunciaram sua cooperação no avanço da quarta revolução industrial em uma coletiva de imprensa realizada em Seul. O Fórum Econômico Mundial (WEF), que definiu a quarta revolução industrial em 2016, reconhecendo o blockchain como um de seus principais impulsionadores desde o início.

Assim, o comitê especial sul-coreano sobre a quarta revolução industrial sob a Assembleia Nacional declarou em sua última reunião geral em 28 de maio:

“Precisamos formar uma força-tarefa que inclua especialistas privados para melhorar a transparência do comércio de criptomoedas e estabelecer uma ordem comercial saudável [...] Também estabeleceremos uma base legal para o comércio de criptomoedas, incluindo a permissão das ICOs, por meio do Comitê Permanente da Assembléia Nacional".

Da mesma forma, o interesse da Coreia do Sul no blockchain foi confirmado novamente em 21 de junho, quando o Ministério da Ciência e TIC do país anunciou uma importante Estratégia de Desenvolvimento de Tecnologia Blockchain que visa levantar 230 bilhões de won (aproximadamente US $ 207 milhões) até 2022. A nova iniciativa é esperada Fomentar 10.000 profissionais do setor de blockchain e 100 empresas em áreas como imóveis, votação on-line, logística de transporte, imóveis e distribuição internacional de documentos eletrônicos, e expandir e monetizar seis pilotos blockchain existentes com o apoio do Ministério.

Em maio, até mesmo o banco central da Coreia do Sul começou a explorar a ideia de usar criptomoedas e blockchain. O órgão do governo voltou-se para a tecnologia a fim de atingir sua meta de uma sociedade sem dinheiro até 2020. Os principais objetivos do projeto são a conveniência do cliente e a redução do custo de produção de moeda física.

Empresas sul-coreanas também vêm implementando a tecnologia. Em abril, a operadora de telecomunicações sul-coreana SK Telecom anunciou o lançamento de um serviço de gerenciamento de ativos com tecnologia blockchain, bem como uma plataforma para vincular as startups de blockchain aos investidores. De acordo com o vice-presidente executivo da divisão de blockchain da operadora de telecomunicações, “o serviço permitirá que os usuários gerenciem todas as contas bancárias, cartões de crédito, pontos de milhagem e outros ativos não financeiros, incluindo criptomoedas, em uma cesta e possibilitam transações de ativos na confiança. ”

A nova plataforma da SK Telecom, o Token Exchange Hub, apoiará a ICO de startups oferecendo “consultores tecnológicos e financeiros”. Além disso, o Serviço Alfandegário da Coreia assinou um memorando de entendimento (MoU) com a operadora coreana Malltail, líder serviço de encaminhamento de encomendas ao consumidor, para desenvolver uma plataforma alfandegária baseada em blockchain para a indústria de comércio eletrônico e um grupo de bancos comerciais sul-coreanos estão prontos para lançar uma plataforma de verificação de identificação de clientes impulsionado pelo blockchain em julho de 2018.

Além disso, em 20 de junho, a eletrônica titânica Samsung revelou uma nova plataforma de logística apoiada no blockchain-apelidada Cello 3.0 via Samsung SDS, o braço de TI da corporação. No início de junho, a empresa também anunciou uma plataforma blockchain chamada Nexfinance com o objetivo de aumentar a competitividade das empresas financeiras. Sua rival LG também lançou recentemente seu próprio serviço apoiado em blockchain por meio de uma empresa subsidiária que se concentra em serviços de tecnologia da informação. Chamada de Monachain, a nova plataforma foi projetada para permitir a logística baseada em blockchain nos campos de finanças, fabricação e comunicação.

Posição mais dura nas criptomoedas

Outra razão para a reversão da proibição da ICO são os freios colocados na indústria local de cripto. Quando o presidente da Associação de Convergência Financeira TIC da Coreia do Sul, Oh Jung-geun, revelou planos para lançar um centro blockchain na cidade de Busan, projetado após o Vale do Cripta Suíço, ele ressaltou que muitas empresas sul-coreanas são obrigadas a manter seus ICOs no exterior devido a a proibição do governo, privando o país de impostos comerciais substanciais. A abordagem do governo à cripto em comparação com blockchain também foi cricitaca pelo pesquisador chefe do Blockchain Research Center no Dongguk University Park Sung-joon, que argumentou que diferentes abordagens para blockchain e criptomoedas representam perigo potencial:

“No mercado de negociação de ativos digitais, a moeda virtual e as blockchains não podem ser separadas porque precisam dos meios de pagamento apropriados”.

Um exemplo absoluto é o plano de Kakao de manter sua ICO no exterior. A Kakao é uma grande empresa sul-coreana de internet e provedora de serviços para grandes sul-coreanos com seu aplicativo de mensagens móveis KakaoTalk. Como a Cointelegraph relatou anteriormente, os aplicativos da Kakao têm mais de 90% de penetração de mercado em seus respectivos mercados, incluindo fintech, serviço de táxi, envio de mensagens e mídia social. A empresa também está focando na integração de criptomoedas para seus 12.000 comerciantes e mais de 100 milhões de usuários.

Em março, ela anunciou planos para a abertura de uma plataforma blockchain destinada aos mercados asiáticos mais amplos. Segundo relatos, espera manter uma ICO, o que poderia ter levado os legisladores locais a aliviar os regulamentos atuais para manter as operações da Kakao no país.

No entanto, o FSC permanece cético. Em março, logo após as notícias sobre a proibição da ICO ser cancelada começaram a aparecer, o presidente do FSC expressou suas preocupações em relação às ICOs domésticas, citando altos riscos envolvidos para os investidores no mercado de criptomoedas, a saber, esquemas Ponzi e fraudes. O FSC também comentou sobre o potencial Kakao ICO, lembrando as restrições atuais:

“Mesmo que não haja proibição de criptomoeda ou de negociação de ativos digitais, existe a possibilidade de que [a ICO da Kakao] possa ser considerada fraude ou vendas em vários níveis, de acordo com o método de emissão. Como o risco é muito alto em termos de proteção ao investidor, o governo tem uma postura negativa em relação à ICO”.

Isso não é tão surpreendente, dando a entender que o FSC — juntamente com outros reguladores — tem regulado as casas de câmbio locais de uma maneira notavelmente difícil. Por exemplo, após a casa de câmbio local UPbit receber uma repentina visita de reguladores financeiros em 11 de maio com base em alegações de fraude, a plataforma realizou uma auditoria interna que supostamente refutava essas acusações. Curiosamente, a Upbit é administrada por uma subsidiária da Kakao.

Da mesma forma, em abril, o principal co-fundador e CEO da CoinNest foi preso sob acusações de peculato e fraude, por supostamente transferir “bilhões de won” em ativos digitais dos clientes para suas contas pessoais, e 12 casas de câmbio cripto receberam ordens para melhorar a proteção do cliente em seus contratos.

Além disso, em maio, a Comissão de Serviços Financeiros (FSC) juntou-se à sondagem em curso sobre as casas de câmbio de criptomoedas sul-coreanas que foi originalmente iniciada pelo Financial Supervisory Service (FSS). Após uma solicitação do FSS, o FSC verificará contas bancárias de trocas de cripto coreanas relativas à conformidade com os padrões de AML e outras medidas de prevenção de fraude.

De acordo com o relatório original do Korea Times, o assunto principal da auditoria ampliada seria o Bithumb, a maior casa de câmbio cripto do país, com planos de popularizar o uso de criptomoedas. O fato de a Bithumb ter sido hackeada recentemente enquanto estava sob o escopo das autoridades torna a situação ainda mais complexa. A agência de segurança e Internet da Coreia (KISA) enviou seus funcionários aos escritórios da Bithumb em Seul para coletar dados e registros dos computadores da empresa.

No entanto, o recém-nomeado governador da FSS declarou recentemente que ele vê “alguns aspectos positivos” para as criptomoedas. Ele também mencionou que o FSS estará trabalhando em “questões” de regulação de criptografia em colaboração com outros reguladores.

Os regulamentos futuros mostrarão se o governo segue seu plano de nutrir a indústria cripto local com políticas positivas. Em março, representantes do Ministério de Estratégia e Finanças da Coreia do Sul mencionaram que liberarão uma estrutura de tributação para criptomoedas até o final de junho. Embora a agência ainda não tenha feito nenhum anúncio oficial, a Chosun informou em 22 de junho que um imposto sobre ganhos de capital de 10% seria introduzido em um ou dois anos. No entanto, isso foi logo foi refutado pelo Ministro de Estratégias e Finanças.