Coreia do Sul está investigando métodos para taxar usuários de Bitcoin

Kim Dong-yeon, vice-primeiro ministro da Coreia do Sul e ministro de estratégia e finanças, revelou no início desta semana que o governo está investigando vários métodos para melhor regulamentar o mercado local de Bitcoin e taxar usuários do Bitcoin de acordo.

Enquanto o governo sul-coreano e suas autoridades financeiras locais estão discutindo ativamente a possibilidade de aplicar uma política de tributação do Bitcoin, em uma coletiva de imprensa, o vice-primeiro ministro Kim afirmou que o governo não pretende incluir qualquer política de tributação do Bitcoin na emenda da lei de impostos de 2018.

A Coreia do Sul provavelmente seguirá a política tributária do Japão

Desde o início deste ano, o governo sul-coreano introduziu quadros regulatórios leves para empresas e investidores de Bitcoin que são estruturalmente semelhantes aos das políticas impostas pelo governo japonês e pela Agência de Serviços Financeiros do Japão (ASF).

Atualmente, as casas de câmbio de criptomoeda e as plataformas de negociação têm a liberdade de operar em ambas as regiões, com uma interferência e supervisão mínima do governo.

Como parte de uma iniciativa importante para facilitar o crescimento do mercado japonês de criptomoeda, o governo japonês eliminou o imposto de consumo de oito por cento sobre o Bitcoin em julho, com a intenção de manter a taxa de rápido crescimento da indústria Bitcoin japonesa e a crescente demanda do setor de finanças tradicionais do mercado japonês.

É provável que o governo sul-coreano implemente uma política tributária Bitcoin semelhante a do governo japonês, uma vez que a maioria dos quadros regulatórios fornecidos pelas autoridades financeiras sul-coreanas em 2017 se concentrou em oferecer liberdade e flexibilidade para as empresas, como o Japão.

Discussão sobre centralização da negociação

Várias agências, comunidades de Bitcoin e funcionários do governo expressaram suas preocupações com a centralização das negociações na Coreia do Sul. Bithumb, a principal casas de câmbio de criptomoeda da Coreia do Sul, a segunda maior plataforma de negociação de criptomoeda do mundo, atrás da Bitfinex, representa cerca de 70% dos negócios de Bitcoin da Coreia do Sul.

O Ministério da Estratégia e Finanças da Coreia do Sul explorará potenciais métodos de distribuição de criptomoeda e volumes de negociação Bitcoin em uma ampla gama de plataformas de negociação de criptomoeda no mercado.

Bancos estão testando o Bitcoin

Além disso, algumas das instituições financeiras mais importantes e influentes do país, como o Shinhan, o segundo maior banco comercial da Coreia do Sul, já começaram a testar os sistemas de carteira e cofre de Bitcoin, com uma estratégia de longo prazo para fornecer uma plataforma segura com a qual os usuários de Bitcoin podem armazenar fundos.

O Shinhan enfatizou que é necessário um serviço de cofre para usuários de Bitcoin, especialmente empresas de investimento em larga escala e investidores institucionais, já que a Bithumb foi hackeada duas vezes neste ano.

No entanto, também é importante considerar a estrutura da rede Bitcoin e sua natureza descentralizada. Como a rede Bitcoin existe em um protocolo peer-to-peer, a maneira mais segura de armazenar o Bitcoin é em plataformas de carteiras não privativas de liberdade, em que o usuário obtém controle absoluto de chaves e fundos privados.

No geral, é altamente otimista que o governo sul-coreano tenha começado a reconhecer a rápida taxa de crescimento do Bitcoin e redigiu várias soluções para padronizar a indústria sul-coreana de Bitcoin.


Siga-nos no Facebook