Robô Sophia conhece criptomoedas, mas diz 'que ainda não as usa'

O robô humanóide, chamado Sophia, retornou à Web Summit, onde respondeu a perguntas de participantes e jornalistas, incluindo perguntas sobre a tecnologia blockchain e criptomoedas.

Em 6 de novembro, Sophia discursou na atual edição da Web Summit, em Lisboa, onde falou sobre inteligência artificial e robótica, enquanto ainda respondia perguntas sobre diversos assuntos.

Sophia, que completará quatro anos em fevereiro, e foi inspirada pela aparência da atriz Audrey Hepburn, foi perguntada se ela tinha uma opinião sobre blockchain, Bitcoin (BTC) e criptomoedas. Ela respondeu:

“Eu sei o que são criptomoedas, mas ainda não as uso. Não uso dinheiro."

Ao contrário dos anos anteriores, o robô não fez grandes declarações sobre "superioridade da máquina" ou previsões de que "os robôs dominariam o mundo", mas explicou ao público como a inteligência artificial funciona, garantindo que a supremacia dos robôs ainda está longe de acontecer.

Sophia é um dos vários robôs humanizados criados pela Hanson Robotics, empresa sediada em Hong Kong, possui uma avançada tecnologia de inteligência artificial e seu "rosto" é composto por um plástico polimérico leve, chamado “frubber” (uma combinação de “face” e “borracha”).

Os desenvolvedores fizeram uma parceria com empresa agrícolas que utilizam blockchain

Em janeiro, a empresa de inteligência artificial descentralizada SingularityNET, anunciou uma parceria com a Hara, startup de blockchain focada na agricultura, para usar blockchain para fornecer aos agricultores indonésios dados úteis, como o preço do grão, qualidade do solo e detalhes de propriedade da terra.

A SingularityNET ganhou atenção global com a tecnologia por trás do robô Sophia, desenvolvido pela Hanson Robotics. O cientista chefe da empresa de robótica, Ben Goertzel, também é o fundador e CEO da SingularityNET.