Pessoa não-identificada movimenta US$ 1 bilhão em Bitcoin e paga US$ 700 de taxa - mais de 20 o valor necessário

Uma transação de US$ 1 bilhão em Bitcoin (BTC) ficou famosa não por causa de seu tamanho, mas porque seu remetente gastou demais em taxas.

Alguém poderia ter enviado 94K BTC por US$ 35

Os usuários de redes sociais tentavam adivinhar a origem e o destino dos fundos em 6 de setembro, que envolveu 94.504 BTC (US$ 1,018 bilhão).

De acordo com o recurso de monitoramento baseado no Twitter Whale Alert, a transação não envolveu carteiras conhecidas ou pertencentes a uma organização específica relacionada a criptomoeda, como uma exchange.

Uma teoria sugeria que os fundos podem estar vinculados à plataforma institucional de negociação Bakkt, que começa hoje a aceitar depósitos de clientes.

“Instituições que estão construindo estoques para suas necessidades de criação de mercado daqui para frente”, comentou Max Keiser sobre a transação gigantesca. Ele adicionou:

"Isso = 'valor' efetivo do preço do BTC em US$ 9.000 (como já venho reportando há vários anos). Ou seja, as instituições são compradores líquidos de qualquer BTC que apareça a US$ 9.000. O risco/recompensa agora para os compradores é excelente.”

Seu remetente, que pode estar enviando fundos para si mesmo, selecionou uma taxa muito alta.

A 480 satoshis por byte, a taxa totalizava cerca de US$ 700.

As taxas de Bitcoin podem variar dependendo da rapidez com que um remetente deseja que uma transação seja processada pelos mineradores. Muitas carteiras permitem o estabelecimento manual de taxas; quanto mais dinheiro é pago, menos blocos o usuário vai esperar pela confirmação de sua transação.

Nas condições atuais, a inclusão de uma transação para o próximo bloco - no máximo dez minutos - é de apenas 23 satoshis por byte, o que significa que o remetente de US$ 1 bilhão pagou 20 vezes a mais. Os fundos poderiam ter sido enviados em cerca de 10 minutos pagando uma taxa de apenas US$ 35.

A era das baixas taxas do Bitcoin continua

As taxas de Bitcoin permaneceram baixas em 2019, apesar do rápido aumento do preço da criptomoeda.

Como o Cointelegraph relatou, a situação marca um forte contraste com 2017, quando o Bitcoin alcançou altos históricos e as taxas cresceram em etapas. Na época, os desenvolvedores de projetos como o controverso Bitcoin Cash (BCH) pretendiam levar os usuários embora com a promessa de taxas mais baixas.

A taxa total de hash do Bitcoin - a quantidade de poder de computação envolvida no processo de mineração - continua atingindo novos patamares e agora é mais de 1000% maior que em setembro de 2017.