Cingapura: banco central refuta artigos falsos alegando que seu presidente investiu US $ 1 bilhão em BTC

O banco central de fato de Cingapura emitiu dois avisos sobre dois sites de notícias falsas na terça-feira, em 18 de setembro, depois que eles foram publicados com "comentários fabricados" do presidente e vice-primeiro-ministro Tharman Shanmugaratnam sobre cripto.

Os sites, Gulf Weed Crab e Positive Bath Hour, que contam com notícias falsas sobre assuntos aparentemente aleatórios, afirmaram que Shanmugaratnam estava por trás tanto de um investimento patrocinado pelo governo de US $ 1 bilhão em Bitcoin (BTC) e um "projeto digital de alta tecnologia" para os cingapurianos.

Parece que os sites, desde então, retiraram os artigos. A manchete do Gulf Weed Crab, de acordo com um screenshot reproduzido no Straits Times, diz: "Tharman Shanmugaratnam investe US $ 1 bilhão para todos os residentes de Cingapura", depois o artigo acrescenta informações falsas sobre um investimento digital "hi-tech".

Comentando o episódio, a Autoridade Monetária de Cingapura (MAS) tentou distanciar-se das citações erroneamente atribuídas a Shanmugaratnam, reiterando que o conteúdo do artigo do Gulf Weed Crab era falso.

"O artigo do site sobre Bitcoins é altamente enganoso", respondeu, afirmando:

“As declarações atribuídas ao DPM Tharman são completamente falsas, sem contar sua observação de que os volumes de negociação em criptocorrência são baixos em Cingapura”.

Ambos os artigos ofensivos também solicitaram informações de pagamento dos leitores, a fim de enviar fundos, e se inscrever para uma "conta Bitcoin". O segundo aviso da Autoridade monetária de Cingapura observou que "casos de investimentos fraudulentos e outras formas de atividades ilegais devem ser encaminhados a polícia [sic].”

Cingapura continua a ter uma postura permissiva, mas prudente, sobre a criptomoeda, com a Autoridade monetária do país e os principais políticos notam que estavam monitorando essa área e aplicariam uma regulamentação mais rígida, se for necessário, para a proteção do consumidor.