Siemens se une à plataforma de energia impulsionada por blockchain para aumentar a interoperabilidade na indústria

Duas divisões de energia da gigante alemã de tecnologia Siemens se juntaram a uma plataforma de energia impulsionada por blockchain para promover o uso de tecnologias descentralizadas no setor, de acordo com um comunicado à imprensa publicado na quarta-feira, 21 de novembro.

De acordo com a Siemens, seus departamentos de Gerenciamento de Energia e Serviços de Geração de Energia estão se unindo à plataforma blockchain escalável e de código aberto Energy Web Foundation (EWF), fundada em 2017 para elaborar soluções regulamentares, operacionais e de mercado para o setor de energia.

Autoridades da Siemens acreditam que a tecnologia blockchain ajudará a aumentar a interoperabilidade na área, ligando consumidores a produtores de energia e operadoras de rede, segundo o comunicado de imprensa. Além disso, a tecnologia poderia ajudar a aumentar a eficiência dos sistemas de energia e permitir novas formas de financiamento de projetos.

A declaração também observa que a Siemens já está usando blockchain acompanhado por soluções de controle de micro-grade para otimizar o controle sobre o consumo de energia. Por exemplo, em 2016, a empresa alemã colaborou com a startup dos EUA LO3 Energy para desenvolver micropaineis

que permitem o comércio local entre consumidores e produtores de energia em uma plataforma blockchain. A solução foi testada em um dos bairros de Nova York, no Brooklyn, para alimentar o excesso de eletricidade de volta à rede local e receber pagamentos de seus compradores.

Como a Cointelegraph reportou anteriormente, o braço financeiro da empresa, a Siemens Financial Services (SFS), participou de um blockchain piloto em agosto para garantias bancárias usando a tecnologia R3 Corda, lançada pela multinacional do Reino Unido de serviços bancários e financeiros Standard Chartered (SC).

Blockchain é ativamente testado por grandes players da indústria de energia em diferentes países. Por exemplo, a principal empresa de serviços públicos de Cingapura, a SP Group, que fornece eletricidade e transmissão de gás no país, lançou um mercado de blockchain para negociar energia solar. Também na Ásia, a KEPCO, maior fornecedora de energia sul-coreana, vai usar blockchain e outras soluções inovadoras de energia para desenvolver uma microgrid ecologicamente correta.