Startup de Xangai usará Blockchain para verificar a origem do vinho e combater falsificações

A VeChain, uma startup blockchain sedidada em Xangai, está testando um aplicativo blockchain para verificar a cadeia de suprimento de vinho e combater as falsificações, informou o South China Morning Post em 24 de maio.

A indústria de vinhos chinesa vale US $ 2,8 bilhões, mas segundo o South China Morning Post, aforismos como “os chineses mais vinhos 'franceses' para o peito do que a própria França” e “pelo menos metade do Château Lafite-Rothschild consumido na China é falso”, enfraqueceram a confiança do público na qualidade do produto.

Como parte da iniciativa, a VeChain está trabalhando com o varejista Shanghai Waigaoqiao Direct Imported Goods (DIG) e testando os produtos do produtor francês Pierre Ferraud e Fils. Em 2017, a empresa assinou um acordo para entregar o vinho tinto Beaujolais Nouveau do produtor francês verificado em sua plataforma blockchain, que está ligada à DIG em termos de varejo.

Ao digitalizar um código de barras de resposta rápida (QR), os consumidores poderão obter informações essenciais sobre o vinho, incluindo detalhes da vinícola, variedade de uva, um número de declaração alfandegária chinesa de 18 dígitos, datas em que uma garrafa foi retirada do depósito e entregue um armazém alfandegado em Xangai, bem como quando foi fornecido às lojas da DIG na cidade. Fu Yu, sócio da VeChain, comentou o projeto:

“A beleza da blockchain é que os compradores podem ver informações sobre todo o ciclo de vida de uma garrafa de vinho de vários lados, incluindo vinhedos, logística e varejistas.”

Quando se trata de vinhos premium, a startup planeja integrar um chip de comunicação de campo próximo (NFC) perto da rolha de vinho. Se o chip for rompido, não será mais possível ler ou gravar dados no blockchain.

10.000 garrafas de vinho rastreadas por blockchain foram enviadas para a DIG, e o número deverá aumentar dez vezes em 2019. Fu também mencionou que a VeChain está envolvida em negociações com uma vinícola italiana sobre a utilização de blockchain para estabelecer uma posição na China. A mesma oferta também foi feita para vinícolas na Austrália e na América do Sul.

Em março, a gigante chinesa de comércio eletrônico JD.com começou a implementar um aplicativo blockchain para rastrear a cadeia de suprimentos de suas vendas de carne. A JD tomou a dianteira na iniciativa de aumentar a confiança do consumidor com a provisão de produtos de carne bovina. De acordo com o diretor de tecnologia da JD, o novo sistema baseado em blockchain garantirá aos clientes que eles compraram "produtos seguros e confiáveis para suas famílias".

No mês passado, a Cointelegraph reportou que o Walmart está usando um aplicativo blockchain para rastrear seus produtos alimentícios, permitindo que eles verifiquem as informações do produto, além de reduzir o desperdício e melhorar o gerenciamento e a transparência com relação à contaminação.