Comissão de Títulos e Câmbio acusa day trader de usar Bitcoin para esconder lucros

A Comissão de Títulos e Câmbio dos EUA (SEC) apresentou uma ação judicial contra o day trader (comerciante do dia, em tradução livre) Joseph Willner, da Filadélfia, Pensilvânia, por alegadamente usar a moeda digital Bitcoin para esconder seus lucros. No caso apresentado em 30 de outubro de 2017, o acusado assumiu ilegalmente o controle de mais de 100 contas de corretagem e usou os fundos das vítimas para aumentar artificialmente os preços das ações e, em seguida, negociar com eles para obter altos lucros.

Em seu comunicado de imprensa, a SEC afirmou que Willner utilizou os serviços de uma casa de câmbio Bitcoin sem nome para converter os fundos de dólares americanos para Bitcoin para ocultar seus lucros. O produto do câmbio foi transferido para outro indivíduo, que não foi incluído no caso.

Parte do comunicado diz:

"Para mascarar seus pagamentos para o outro indivíduo como parte de um acordo de participação nos lucros, Willler alegadamente transferia o produto de negociações lucrativas para uma empresa de moeda digital que converte dólares americanos para Bitcoin e depois repassava os bitcoins como pagamento".

Modus operandi de Willner

Com base no processo da SEC, Willner e seu bando acumularam pelo menos US $ 700.000 em lucros de sua fraude de tomada de conta. Na investigação realizada pela Unidade Cyber da SEC, o esquema de aquisição de contas representa uma ameaça cada vez maior para os investidores de varejo.

De acordo com a diretora da Divisão de Execução da SEC, Stephanie Avakian, o crime é uma grande ameaça para os investidores de varejo, de modo que a recém-formada Unidade Cyber está focada nela.

"As aquisições de contas são uma ameaça cada vez mais significativa para os investidores de varejo, e é exatamente o tipo de fraude na qual nossa nova Unidade Cyber está focada".

A Unidade Cyber da SEC foi introduzida em setembro de 2017 para se concentrar em crimes envolvendo moedas digitais, bem como ofertas iniciais de moedas (ICO) e tecnologia de livro-razão distribuído, entre outros.