Primeira aliança blockchain da América Latina é criada pela Bolsa de Valores de Santiago

A Bolsa de Valores de Santiago (STE), o Depositário Central de Valores Mobiliários (DCV) e o Diretório Global de Comércio (GTD) anunciaram uma nova associação blockchain.

A BNamericas, empresa de inteligência de negócios focada na América Latina, relata em 27 de agosto que STE, DCV e GTD criaram um consórcio para o desenvolvimento de aplicativos financeiros blockchain, no que é supostamente a primeira iniciativa desse tipo na América Latina.

Negociação de ações baseada em blockchain chegando à América Latina

O acordo prevê a criação de uma rede de blockchain de negócios: infraestrutura destinada a conectar clientes do mercado de ações em todo o mundo através de nodes que fornecerão acesso aos diferentes aplicativos em execução na plataforma baseada em Hyperledger.

Fernando Yañez, gerente geral do Depositário Central de Valores Mobiliários, comentou sobre o desdobramento:

“Desde 2017, temos trabalhado com outros depósitos de títulos no mundo na aplicação de blockchain aos serviços de nossa indústria, aos quais é adicionado o projeto que estamos realizando com o Banco Central do Chile para incorporar essa tecnologia na emissão. dos seus instrumentos financeiros.”

Período de desenvolvimento de dois anos

Após a assinatura do acordo, as três instituições formarão um comitê técnico encarregado de projetar o sistema dentro de seis meses, consultando os membros da aliança.

Após essa fase ser concluída, uma equipe de desenvolvedores será contratada para construir a plataforma baseada em blockchain em cerca de 18 meses, emitindo versões de produção a cada seis meses.

Como o Cointelegraph informou ontem, o gigante bancário multinacional HSBC teria se tornado o primeiro banco a concluir transações de financiamento na plataforma europeia de comércio blockchain we.trade.