Empresa russa oferece a produtor de smartphones Xiaomi tokenizar sua vindoura IPO

A Blackmoon, uma empresa sediada em Moscou, na Rússia, ofereceu à Xiaomi, quarta maior produtora de smartphones do mundo, tokenizar sua oferta pública inicial (IPO) de ações, informou o jornal South China Morning Post em 2 de julho.

A Blackmoon, que é uma empresa fintech blockchain que estabelece e gera fundos tokenizados, ofereceu à Xiaomi a venda de tokens digitalizados para suas ações em uma base dólar-por-dólar. As opções de pagamento podem incluir Ethereum (ETH), Bitcoin (BTC) ou Litecoin (LTC). A Blackmoon ostensivamente aplicará a renda para assinar a IPO de US $ 4,7 bilhões da Xiaomi em Hong Kong, que começará em 9 de julho na bolsa de valores de Hong Kong.

Na semana passada, após o término de um período de oferta de quatro dias para investidores de varejo que viram suas ações sobrecompradas por 8,5 vezes, a Xiaomi definiu o preço de suas ações em HK $ 17 (US $ 2,16) cada. Isso estima o fabricante de smartphones em US $ 54 bilhões, o que representa metade do valor inicialmente procurado de US $ 100 bilhões. O preço do token oferecido pela Blackmoon está supostamente vinculado ao desempenho das ações da Xiaomi. Sergey Vasin, diretor de operações da Blackmood, disse:

“O preço do token Xiaomi é determinado pelo preço do IPO das ações da Xiaomi, com as taxas aplicáveis. Nós só aceitamos cripto, então seria a quantia equivalente em dólares americanos ou dólares de Hong Kong”.

De acordo com a Blackmoon, os detentores poderão comprar os tokens mensalmente. Após o resgate, a Blackmoon negociará a ação Xiaomi no portfólio igual ao valor dos tokens adquiridos. Os detentores de tokens subsequentemente obterão seu investimento em moeda digital, embora a Blackmoon esteja trabalhando em opções de pagamento. Oleg Seydak, executivo-chefe da Blackmoon, disse que depois de conduzir uma pesquisa nas mídias sociais, surgiu que "muitas pessoas disseram que estão interessadas em participar do IPO por meio de tokens".

Um porta-voz da Xiaomi disse ao South China Morning Post que a venda de token oferecida pela Blackmoon ainda não havia sido aprovada ou endossada pelo fabricante de smartphones, enquanto o Vasin se recusou a divulgar a quantidade de tokens vendidos. Os tokens não estão disponíveis em Hong Kong ou na China continental.

A Blackmoon não é o primeiro projeto token que pegou carona no nome ou na marca de uma empresa bem conhecida. No início deste ano, a Alibabcoin Foundation ganhou uma liminar contra a criptomoeda baseada em Dubai pela gigante chinesa de comércio eletrônico Alibaba Group Holding. Um juiz de um tribunal dos EUA decidiu contra o processo e contra a ordem de restrição que acusou a Alibabacoin de violação de direitos autorais e comportamento "proeminente, repetido e intencionalmente enganoso" usando o nome da empresa.