Pesquisa aponta que Estônia teria 'superado' o CriptoValley

Um trabalho de pesquisa realizado pela ORS CryptoHound denominado "Como a Estônia se tornou o lar de mais de 700 empresas Blockchain" revelou que o país nórdico teria superado a Suíça e seu famoso CriptoValley, como o lugar mais propenso ao desenvolvimento de negócios baseados em blockchain

Segundo os pesquisadores, quatro pilares ajudaram a Estônia a superar a Suíça, entre eles a aplicação de imposto 0 (sobre lucros não distribuídos) para empresas que desejam iniciar negócios baseados na cadeia de blocos.

Os entrevistados também destacaram a possibilidade de montar e administrar empresas on-line, a facilidade de obter uma licença para empresas que operam com Bitcoin e criptomoedas e os regulamentos avançados contra lavagem de dinheiro fazem parte do sucesso da Estônia.

Para fazer o estudo os pesquisadores do ORS Group ouviram advogados, desenvolvedores de software e provedores de serviços corporativos que também reforçaram que o estabelecimento de regras claras pelos legisladores é um ponto central para o desenvolvimento da indústria cripto/blockchain pois dá segurança jurídica às empresas que desejam empreender neste setor.

No caso da Estônia, para garantir que as empresas não operem como intermediários para operações criminosas a Unidade de Inteligência Financeira da Estônia convoca as empresas que desejam obter uma licença a uma 'entrevista cara-a-cara', atitude que tem sido bem avaliada pelas empresas pois garante mais credibilidade ao setor.

No caso da Suíça, como relatou o Cointelegraph em janeiro, o ex-CEO da Swisscom Blockchain, Daniel Haudenschild, assumiu como presidente da CryptoValley Association e irá receber uma comitiva de startup brasileiras que estão indo a Europa conhecer os programas de incentivo suiço e também as oportunidades de negócios, para as empresas cripto/blockchain na Europa.