Relatório: alguns aplicativos de mineração de cripto permanecem no Google Play Store apesar da proibição recente

De acordo com um relatório da Next Web publicado em 28 de agosto, vários aplicativos de mineração de criptomoeda permanecem na Google Play Store, apesar da proibição.

Em 27 de julho, o Google proibiu aplicativos de mineração de cripto em sua Play Store. Uma atualização da política de desenvolvedores do Google dizia que "não permitimos aplicativos que minerem criptomoeda em dispositivos". A empresa deu aos desenvolvedores de aplicativos de mineração um período de tolerância de 30 dias para revisar seus produtos, a fim de cumprir os novos termos.

O período de adiamento passou, mas alguns aplicativos que permitem a mineração no dispositivo ainda estão disponíveis na Play Store, de acordo com a Next Web. O site encontrou oito aplicativos, dos quais três foram removidos. NeoNeonMinerCrypto Miner PRO, Pickaxe Miner e Pocket Miner ainda estão vivos na loja, enquanto o Bitcoin Miner afirma que sua oferta está em conformidade com os termos introduzidos pelo Google.

Embora o MinerGate tenha sido removido da loja, seus desenvolvedores disseram ao Hard Fork que a última iteração do aplicativo excluiu seus recursos de mineração no dispositivo para obedecer às regras do Google. O MinerGate disse ao Hard Fork em um email:

“A mineração no seu celular estava diretamente entre os principais recursos do aplicativo MinerGate antes das últimas alterações nas políticas de desenvolvimento do Google Play. Com a última atualização, estamos removendo essa funcionalidade para atender aos requisitos atualizados.”

No início deste mês, a Google Play Store hospedou um aplicativo de golpes Ethereum (ETH). Lukas Stefanko, um pesquisador de malware da Eslováquia, teria encontrado um aplicativo "Ethereum" fraudulento no Google Play que havia sido oferecido para compra ao preço de € 335 ou cerca de US $ 388. De acordo com o pesquisador, o golpe pretendia enganar os compradores desinformados na compra do aplicativo, que o confundiam com a cripto original da Ethereum.

Em abril, o Google também anunciou que está removendo extensões de mineração de sua Chrome Web Store depois que "90%" supostamente não cumpriu suas regras. O movimento veio em resposta à análise de “crypjacking” malicioso presente em extensões.