Relatório mostra casas de câmbio de criptomoeda são as vítimas mais comuns de DDoS em todo o mundo

As operadoras de moeda digital e as casas de câmbio de Bitcoin são os alvos mais comuns de ataques de negação de serviço distribuídos (DDoS) de acordo com um relatório intitulado "Paisagem Global de Ameaça Global DDoS 2017". A Imperva Incapsula disse que três de quatro sites Bitcoin foram vítimas de ataques DDoS apenas no terceiro trimestre de 2017. Um ataque DDoS ocorre quando vários usuários inundam a largura de banda ou o recurso de um sistema direcionado com tráfego, impedindo assim as partes legítimas de acessar o site ou o serviço.

Vítimas de DDoS - 3 de cada 4 sites foram atacados no 3º trimestre de 2017 - Cerca de 17% de ataques botnet se originaram da China - Países mais atacados: Taiwan, Hong Kong, Filipinas

O referido relatório também cita que a razão por trás dos ataques é o aumento fenomenal do preço do Bitcoin, que mais que dobrou durante o trimestre.

Parte do relatório diz:

"[Nós] vimos ataques visando um número relativamente alto de casas de câmbio e serviços de criptomoeda. Isso provavelmente estava relacionado ao pico recente no preço do Bitcoin, que mais do que duplicou no período do trimestre. No geral, mais de 73 por cento de todos os sites de Bitcoin que utilizam nossos serviços foram atacados neste trimestre, tornando-se uma das indústrias mais direcionadas, apesar de seu tamanho relativamente pequeno e presença na web".

Outros destaques do relatório

Com base no relatório, outros setores como provedores de serviços de Internet e operadores de jogos e de jogos de azar também foram atingidos por ataques DDoS. Para os ataques DDoS da camada de rede, os países que apresentaram o maior número de ataques e número de alvos incluem os EUA, China, Hong Kong e Filipinas.

Para os ataques DDoS da camada de aplicação, os países mais visados incluíram os EUA, Holanda e outros países desenvolvidos com mercados digitais maduros, como Cingapura, Japão e Austrália.

O relatório também afirmou que os países onde a maior parte do tráfego botnet se originou incluem China, Turquia e Índia. A China manteve sua posição como a principal localização dos dispositivos de ataque com mais de 40% do total.


Siga-nos no Facebook