Relatório: Fraude de Bitcoin que compromete o Google e as contas de destino vieram de aplicativos de terceiros

Um recente golpe no Bitcoin no Twitter, que comprometia várias contas verificadas por grandes empresas, veio de um aplicativo de terceiros, informou o site Next Web (TNW) na sexta-feira, 16 de novembro, citando autoridades de mídia social.

Falando com a TNW, um porta-voz do Twitter confirmou que o ataque veio de um provedor de software externo e não do próprio sistema do Twitter. No entanto, o funcionário se absteve de nomear o aplicativo.

O porta-voz teria explicado que os invasores exploraram uma solução de marketing de terceiros para lançar uma oferta de Bitcoin (BTC) a partir de várias contas verificadas, incluindo o G Suite, do Google, e o maior varejista, Target, uma loja de departamentos dos EUA.

A informação foi implicitamente confirmada pela Target. Seus representantes disseram à TNW que os hackers usaram um aplicativo de marketing de terceiros, autorizado a postar conteúdo em nome da Target.

Como a Cointelegraph informou anteriormente, na quarta-feira, 14 de novembro, hackers assumiram as contas do G Suite e do Target (800.000 e 1.92 milhões de seguidores, respectivamente) e publicaram links maliciosos de distribuição de criptomoedas. A mensagem na conta do G Suite também alegou falsamente que os usuários poderiam fazer pagamentos no G Suite usando criptomoedas.

Além disso, no início de novembro várias contas verificadas no Twitter, incluindo as da produtora Pathe Reino Undo. e do político norte-americano Frank Pallone Jr., foram quebradas para posar como Elon Musk. Uma vez que os hackers ganham o controle das contas, eles mudam a foto do perfil e o nome para posar como Elon Musk e oferecer brindes de Bitcoin.

Os golpistas de Bitcoin já se apresentaram como Elon Musk por várias vezes, levando o fundador da Tesla a procurar a ajuda de Jackson Palmer, o criador do Dogecoin (DOGE), que alegou ter inventado um script anti-scam.