Relatório: $ 1,1 bi em criptos foi roubado este ano

A empresa de segurança cibernética Carbon Black anunciou que cerca de US $ 1,1 bilhão em moeda digital foi roubada no primeiro semestre de 2018, informou a CNBC em 7 de junho.

A empresa de segurança disse que os criminosos se aproveitam da teia escura para facilitar o roubo de criptos em larga escala. Estimativas mostram que há 12.000 mercados e 34.000 ofertas associadas a hackers de criptomoedas podem ser aproveitadas. A web escura só pode ser acessada com a aplicação de um software especial e permite que os usuários permaneçam anônimos e, na maioria das vezes, não rastreáveis.

O estrategista de segurança do Carbon Black, Rick McElroy, que foi entrevistado pela CNBC, disse que o malware básico custa em média US$ 224 e pode custar apenas US$ 1,04. McElroy acrescentou que às vezes vem com uma forma de suporte ao cliente. Segundo o relatório, o mercado de malware vale US$ 6,7 milhões.

O relatório observa que os roubos podem ser realizados por cartéis do crime organizado ou grupos criminosos, mas muitas vezes é um engenheiro altamente treinado que trabalha sozinho e está procurando um meio de renda suplementar. Conforme explicado por McElroy, o ciber-roubo é “muito fácil de fazer” e qualquer um poderia ser capaz, não apenas grupos notórios de hackers. Ele adicionou:

"Você tem nações que estão ensinando codificação, mas não há empregos. Poderia ser apenas duas pessoas na Romênia precisando pagar aluguel."

Ao contrário das operações financeiras bancárias e convencionais, os detentores de criptomoedas não têm apoio institucional para proteger suas economias ou cobrir suas perdas em caso de fraude ou ataques de hackers. McElroy disse:

"Geralmente confiamos nos bancos, as ferramentas estão lá fora, mas os investidores precisam saber como fazer isso. Muitas pessoas não estão cientes dessa nova corrida do ouro, as pessoas estão usando carteiras de nuvem e não garantindo seu dinheiro."

De acordo com o estudo, os intercâmbios foram o alvo mais popular para os cibercriminosos neste ano, representando 27% dos ataques.

Ontem, o Cointelegraph informou que a equipe de segurança do GuardiCore descobriu uma campanha de mineração de manipulação de tráfego e criptomoedas de malware. A campanha chamada Operação Prowli infectou mais de 40.000 máquinas em vários setores, incluindo finanças, educação e governo.