Parceria para remessas vai usar sistema blockchain do Banco Central do Camboja

O Malayan Banking Bhd (Maybank) assinou um memorando de entendimento (MdE) com o Banco Nacional do Camboja (BNC) sobre pagamentos e remessas internacionais.

Em 16 de outubro, o canal de notícias de negócios da Malásia The Edge Markets informou que o maior banco da Malásia, o Maybank, trabalhará em conjunto com o Banco Nacional do Camboja para promover pagamentos e remessas internacionais.

Com o MdE, o Maybank Malaysia, o Maybank Cambodia e o BNC explorarão a possibilidade de transferir fundos entre Camboja e Malásia através do sistema de pagamento Bakong do BNC baseado em blockchain e da plataforma digital Maybank2u do Maybank.

Chea Serey, vice-governadora e diretora geral de bancos centrais do BNC, disse que o sistema Bakong aprimorará o atual sistema de pagamentos nos níveis doméstico e regional, acrescentando:

"O MdE permitirá que ambas as instituições alcancem outro nível de cooperação financeira, alavancando ainda mais a tecnologia para beneficiar as pessoas no Camboja e na Malásia."

Mais de 66% de todas as transações bancárias móveis na Malásia foram realizadas através do app do Maybank em 2018, enquanto mais de 52% de todas as transações bancárias na Internet passaram pela plataforma digital do Maybank, afirma o The Edge Markets.

O BNC começou a testar seu aplicativo móvel Bakong no início de julho. À época, o BNC disse que o aplicativo de pagamentos peer-to-peer ajudaria a população sem conta bancária do país e melhoraria a inclusão financeira.

O uso da tecnologia blockchain para remessas está crescendo

Em julho, o UnionBank, das Filipinas, concluiu um projeto piloto de remessas baseado em blockchain para pagamentos entre as Filipinas e Cingapura.

O projeto piloto foi o resultado de uma parceria entre o UnionBank e o OCBC Bank, com sede em Cingapura, em que o banco usou a autorização tokenizada baseada em blockchain para enviar do OCBC a um titular de conta em um Cantilan Bank rural.

Em abril, a Western Union Company, com sede nos Estados Unidos, fez uma parceria com a Coins.ph, fornecedora de carteira eletrônica das Filipinas, para permitir que os filipinos realizassem transferências de dinheiro além das fronteiras.