Cruz Vermelha lança blockchain para aumentar a resiliência econômica das comunidades

Três unidades nacionais da Cruz Vermelha - maior para causas doadora humanitária depois das Nações Unidas - estão por trás de um esquema monetário baseado em blockchain para melhorar a entrega da ajuda e impulsionar as economias locais.

De acordo com uma reportagem da Thomas Reuters Foundation em 26 de novembro, as sociedades da Cruz Vermelha de Noruega, Dinamarca e Quênia lançaram um plano de dois anos para substituir a provisão de dinheiro e cupons nas ações de ajuda e desenvolvimento por "moedas locais" apoiadas por uma blockchain.

Planos para integrar 320.000 usuários

Como descreve a reportagem, a Cruz Vermelha atualmente distribui US$ 1 bilhão anualmente em dinheiro e cupons, especificamente direcionados ao alívio de desastres ou destinados a impulsionar as economias locais.

Verificou-se que o novo esquema blockchain melhora o comércio em comunidades pobres, permitindo que os usuários locais obtenham créditos criados a partir de trabalho, vendas ou infusões de ajuda e os gastem por meio de um aplicativo para celular, com uma transação registrada no ledger da blockchain subjacente.

O esquema já foi testado em partes do Quênia e da Etiópia

Um representante da Cruz Vermelha da Dinamarca disse à Reuters que o sistema tem semelhanças com o bem-sucedido sistema de transferência de dinheiro móvel M-Pesa do Quênia, mas não exige que os usuários detenham a moeda fiduciária nacional para participar.

O sistema será expandido em todo o Quênia e, no futuro, poderá ser implantado no Malawi, Mianmar, Zimbábue, Camarões e Papua Nova Guiné, com uma meta definida de integração de 320.000 usuários em dois anos.

A consultora humanitária Paula Gil afirmou que acredita que a tecnologia blockchain revolucionará a entrega de ajuda e representa o futuro do setor.

Will Ruddick, fundador da Grassroots Economics, apontou os baixos custos necessários para levar a cabo o esquema: cerca de US$ 40.000 por ano necessários para servidores e suporte em todo o Quênia, juntamente com os US$ 1 milhão em financiamento inicial da Noruega e de outros colaboradores.

Estabelecendo a resiliência econômica

O projeto encontrou alguma resistência por parte dos bancos quenianos, que temem que os esquemas de crédito da comunidade baseados em blockchain possam reduzir a demanda por seus próprios serviços.

Ruddick apontou os benefícios de transparência e privacidade de dados oferecidos pela blockchain e seu potencial para fornecer aos doadores de distribuição quase em tempo real, permitindo que eles ajustem suas provisões para melhor atender as comunidades.

O Banco Mundial estima atualmente que o déficit de crédito para pequenas e médias empresas nas economias em desenvolvimento é de US$ 2,6 trilhões, observou ele.

Em sua capacidade inclusiva e segura, os sistemas de moeda e crédito locais apoiados em blockchain podem, portanto, ajudar a reforçar ciclos resilientes e ajudar a construir as economias das comunidades - em vez de permanecerem limitados a ciclos crônicos de ajuda de curto prazo - ele enfatizou.

O Cointelegraph havia relatado anteriormente uma parceria entre a startup AID:Tech, com sede em Dublin, e a Cruz Vermelha da Irlanda para usar blockchain para gerenciar doações de caridade.