Relatório da PwC descobre que o volume 2018 de ICOs já é o dobro do ano anterior

De acordo com um relatório conjunto da consultoria PwC e da Swiss Crypto Valley Association, as Initial Coin Offerings (ICOs) estão em alta apesar do colapso dos preços das moedas cripto, informou a Cointelegraph auf Deutsch em 29 de junho, ainda no primeiro semestre de 2018.

De acordo com o relatório, entre janeiro e maio de 2018, o volume de ICOs já é duas vezes maior do que durante todo o ano de 2017. A PwC Suíça escreve em um comunicado à imprensa:

"No total, 537 ICOs com um volume total de mais de US $ 13,7 bilhões foram registradas desde o início do ano. Em comparação, em 2017 havia um total de 552 ICOs com um volume de pouco mais de US $ 7,0 bilhões. O tamanho de uma ICO quase dobrou de US $ 12,8 milhões para mais de US $ 25,5 milhões desde o ano passado."

Menção especial é feita às ICOs do Telegram e EOS, que alcançaram os bilhões. O Telegram captou US $ 1,7 bilhão através de sua ICO, enquanto a EOS captou mais de US $ 4,1 bilhões.

De acordo com o relatório da ICO, os EUA, Cingapura e Suíça são agora os três centros mais importantes da ICO no mundo, em grande parte devido ao progresso na regulamentação. A Suíça, em particular, beneficia-se do "Crypto Valley" de Zug, com seu foco consistente em startups de blockchain e fintech. Os países menores e as cidades-estados, como Hong Kong, Gibraltar, Malta ou Liechtenstein, tiveram algum sucesso, tendo copiado os modelos compatíveis com criptos de Cingapura e Suíça.

Em relação à regulação, os autores identificaram três abordagens diferentes que estão sendo implementadas em todo o mundo:

"Os EUA usam um sistema centralizado no qual todos os tokens oferecidos pela ICO são negociados como títulos. Na Europa, por outro lado, uma regulamentação diferenciada prevalece. A FINMA, por exemplo, classifica os tokens em três subtipos: ativo, pagamento e utilidade. Não se trata de um investimento real, mas permite ao comprador acesso direto ao produto ou serviço da ICO. Finalmente, na Ásia, a regulamentação é muito heterogênea, indo da proibição estrita à promoção ativa dos projetos da ICO."

Reguladores e instituições financeiras tradicionais permanecem céticos em relação às ICOs e criticaram sua falta de supervisão em certas jurisdições. A CEO da Nasdaq, Adena Friedman, afirmou recentemente que as ICOs representam “sérios riscos” para os investidores de varejo devido a deficiências regulatórias. No início deste mês, o presidente da SEC, Jay Clayton, reiterou a posição da agência de que as ICOs são títulos e devem ser regulamentadas como tal.