PwC: Incerteza regulatória e falta de confiança do usuário inibem a adoção do Blockchain

A incerteza regulatória e a confiança são as principais barreiras para a adoção de blockchain entre empresas, de acordo com um estudo divulgado em 27 de agosto pela firma de auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC), do grupo "Big Four".

Um novo estudo intitulado “O Blockchain está aqui. Qual seu próximo passo?” levado a cabo pela PwC pesquisou 600 executivos em 15 países sobre o desenvolvimento de blockchain e opiniões sobre o seu potencial. Os países participantes da pesquisa incluíram AustráliaChinaDinamarcaFrançaAlemanhaHong KongÍndiaItáliaJapãoPaíses BaixosCingapuraSuéciaEmirados Árabes UnidosReino Uindo e EUA.

Os entrevistados classificaram a incerteza regulatória, a falta de confiança entre os usuários e a capacidade de unir uma rede como as três principais barreiras para bloquear a adoção. O líder da Blockchain na PwC, Steve Davies, disse:

“As empresas nos dizem que não querem ser deixadas para trás pela blockchain, mesmo que, nesse estágio inicial de seu desenvolvimento, ainda persistam preocupações quanto à confiança e à regulamentação. Blockchain por sua própria definição deve gerar confiança. Mas, na realidade, as empresas enfrentam problemas de confiança quase a cada momento.”

De acordo com o estudo, quatro em cada cinco executivos em todo o mundo, que representam 84% dos entrevistados, têm iniciativas de blockchain em andamento, 25% das quais têm implementações totalmente ao vivo de blockchain ou lançam projetos-piloto.

46% dos entrevistados identificaram o setor financeiro como líder em termos de desenvolvimento de blockchain nos próximos três a cinco anos. Os entrevistados também identificaram setores com potencial emergente para o mesmo período de tempo, como energia e serviços públicos (14%), saúde (14%) e manufatura industrial (12%).

EUA e China foram identificados pelos entrevistados como líderes no desenvolvimento de blockchain, com 29% e 18%, respectivamente. Os entrevistados também previram que dentro dos próximos três a cinco anos, o centro de influência mudará para a China (30%) dos EUA (18%).

No mês passado, o instituto de pesquisa científica do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China, em colaboração com o provedor de serviços de Internet Tencent Holdings, publicou um relatório sobre blockchain em serviços financeiros.

De acordo com o relatório, o blockchain aumentará “a transparência das transações financeiras, fortalecerá a flexibilidade da operação do sistema e automatizará os processos, afetando os métodos de manutenção de registros, contabilidade e liquidação de serviços financeiros”.